Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Volkswagen Golf GTE chega ao mercado com preço de 41.142 euros

VW_7041 O Volkswagen GTE, a versão Plug-in híbrida do compacto da marca alemã, chega hoje ao mercado nacional, posicionando-se entre o ecológico E-Golf e o aguerrido GTI, com os seus preços a iniciarem-se nos 41.142 euros. Contudo, este valor pode ser reduzido graças aos incentivos da Fiscalidade Verde, baixando para os 33.963 euros (sem IVA e com apoio ao abate) ou para os 34.261 euros (sem IVA, mas sem o incentivo ao abate). Em termos comparativos, o preço tabelado do E-Golf é de 31.677 euros, embora a possibilidade de contar com os incentivos da Fiscalidade Verde e do abate de veículos em fim de vida reduza o seu custo para um mínimo de 27.177 euros. O Volkswagen GTE é um automóvel híbrido plug-in, recorrendo para isso ao mesmo sistema do Audi A3 e-tron. Disponibiliza uma potência combinada de 204 cv, extraídos de um motor gasolina 1.4 TSI de 150 cv, a que está associado um motor eléctrico de 102 cv. A transmissão é assegurada pela versão da caixa automática DSG de 6 velocidades de dupla embraiagem, que a Volkswagen desenvolveu especialmente para os seus modelos híbridos. Ambos os motores podem funcionar de forma independente, ou em conjunto, sendo que a bateria permite que o GTE ofereça uma autonomia máxima, em modo puramente eléctrico, de 50 quilómetros, desde que a velocidade não exceda os 130 km/h. Numa comum tomada doméstica, a carga total da bateria demora cerca de 3 horas e 45 minutos. Nas tomadas de alto débito de uma wallbox  ou de uma estação de carregamento público, o recarregamento a 100%o leva apenas 2 horas e 15 minutos. Combinando os dois motores, o Golf GTE é capaz de cumprir o exercício 0-100 km/h em 7,6 segundos e atingir uma velocidade máxima de 222 km/h, oferecendo prestações de um verdadeiro desportivo, em linha com a herança de todos os Golf GT. Dispõe, ainda, de uma tecla ‘GTE’, a qual ajusta todos os sistemas para uma condução mais desportiva, activando a potência máxima com efeito boost. A par dessa alteração nos parâmetros de funcionamento do automóvel, a sonoridade fica também mais desportiva. Por isso mesmo, o design, o nível de equipamento e o carácter do Golf GTE foram adaptadas directamente do Golf GTI gasolina e do GTD turbodiesel. O GTE tem um consumo médio de combustível de 1,5 l/100 km de gasolina com 35 g/km de emissões de CO2 e de 11,4 kWh/100 km de energia elétrica, o que lhe garante uma autonomia total de cerca de 940 km. O GTE dispõe de quatro modos de funcionamento:’E-Mode’, para funcionamento em modo 100% eléctrico; ‘Hybrid Auto’, que dá primazia ao modo eléctrico, mas que recorre ao motor de combustão sempre que necessário; ‘Battery Hold’, que salva a carga da bateria para mais tarde; e ‘Battery Charge’, que funcionando em modo de combustão carrega também as baterias. O equipamento de série é muito completo, incluindo faróis em LED e luzes de circulação diurna com um perfil luminoso em forma de C, LED’s vermelho escuro nos farolins, suspensão adaptativa e jantes de liga leve de 18 polegadas. A faixa vermelha na grelha do radiador e na cobertura dos faróis – características típicas do Golf GTI – surgem em azul no Golf GTE, uma imagem de marca dos modelos eléctricos da marca. No interior, destaque para os bancos desportivos ao estilo GTI sport, em tecido com axadrezado e costuras pespontadas em azul, volante desportivo multifunções, sistema de entretenimento e de informação com ecrã de 6,5 polegadas e ligação à internet e a smartphones e outros dispositivos externos, iluminação ambiente azul e o já referido modo ‘GTE’ com e-boost e sonoridade electrónica do motor. Além disso, dispõe ainda da aplicação ‘Car net e-remote’, uma aplicação que permite, através de um smartphone, aceder a diversas funções do veículo e obter dados e informações de viagens. Também pode ler mais sobre o novo Golf GTE no nosso blogue parceiro Sobre Rodas.]]>

OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
O impacto da Inteligência Emocional nas empresas
Marketeer
Domino’s Pizza vai deixar quatro mercados europeus