Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Ensaio: Citroën C4 Shine 1.6 BlueHDI 120 cv

[easingslider id=”22793″]

A segunda geração do Citroën C4 tem tido uma presença bastante discreta no mercado, até porque algumas das suas soluções já não estão a par com o que de melhor se vê na concorrência, que até surge do seu “primo”, Peugeot 308.
Consciente desse facto, a marca gaulesa surgiu no início de 2015 com uma actualização para a gama C4, muito apontada às novas motorizações e recheio tecnológico. Exteriormente, as diferenças são, de facto, bastante ténues, destacando-se os novos faróis dianteiros com efeito tridimensional e os novos pára-choques. Quer isto dizer, portanto, que o Citroën C4 continua a ser senhor de uma imagem algo apagada, sem grandes pontos de destaque.

No habitáculo, a principal diferença é o novo sistema multimédia com ecrã táctil de 7”, ainda que o mesmo seja sempre opcional. Igual ao do Peugeot 308, melhora muito a funcionalidade e imagem do interior, destacando-se pela facilidade e rapidez de funcionamento. Como nota negativa, a sua colocação, demasiado baixa, o que obriga a desviar os olhos da estrada. Consequências de um projecto algo datado.

Ainda no habitáculo, lamenta-se que a Citroën não tenha aproveitado este restyling para fazer desaparecer com aquele enorme volante, pouco agradável à vista e pouco amigo da posição de condução, que está longe de ser brilhante, fruto, também, de um banco colocado numa posição demasiado elevada e da pouca amplitude de regulação da coluna de direcção. Como não se deve mudar o que já está bem, a marca francesa manteve os excelentes bancos e os bons materiais, ainda que pudesse ter melhorado a montagem dos mesmos, que é pouco sólida.

Uma das grandes novidades da renovação da gama C4 é a oferta de motores Diesel, completamente nova. No caso da unidade ensaiada, falamos do bloco 1.6 BlueHDi de 120 cv, que representa uma enorme evolução face à anterior unidade 1.6 e-HDi de 115 cv. Muito mais silencioso, mais refinado e linear, o novo motor Diesel do Grupo PSA vem colocar-se com um dos melhores da classe em todos os parâmetros, principalmente na forma fácil como sai dos regimes baixos e na linearidade da entrega de potência. Comum ao anterior bloco, é o excelente sistema stop/start, com uma rapidez e suavidade notáveis.
Com uma caixa de seis velocidades bem escalonada, nunca falta potência, seja para ultrapassar ou para manter boas velocidades de cruzeiro.

Menos notáveis foram os consumos por nós aferidos, sempre acima do que a Citroën anuncia. 4,4 L/100 km em ciclo combinado parece-nos um valor muito optimista, estando a realidade mais perto dos 6,0 l/100 km.
Suave continua a ser o melhor adjectivo para caracterizar a condução do Citroën C4. Além de um motor Diesel digno desse epiteto, o pequeno familiar gaulês isola as irregularidades do piso com notável eficácia, numa demonstração da boa escola francesa e cotando-se com um dos automóveis mais confortáveis do segmento. E é assim mesmo que o C4 deve ser apreciado, já que o seu chassis não foi pensado para oferecer bons momentos de condução. Seguro e previsível, não se destaca pela eficácia nem pela agilidade, até porque o controlo electrónico de estabilidade, que não pode ser desligado, entra em funcionamento com bastante frequência sempre que queremos recordar os tempos de Sebástien Loeb ao comandos do C4 WRC.

Veredicto
A Citroën tem em vigor uma campanha de 3300 euros de desconta na gama C4, o que coloca este C4 Shine 1.6 BlueHDI 120 cv com um preço de 25.958 euros e uma lista de equipamento de série muito recheada, que inclui ligação Bluetooth, sensores de estacionamento atrás e à frente, acesso mãos-livres ao habitáculo, cruise-control, etc.
Quer isto dizer que, mesmo não estando a par dos melhores do segmento, o Citroën C4 se coloca como uma excelente aposta, até porque a sua relação preço/equipamento é muito mais favorável que a dos concorrentes, ao mesmo tempo que traz um excelente motor Diesel e um automóvel muito confortável.

FICHA TÉCNICA

Motor
Tipo 4 cilindros em linha, long., inj. directa common-rail, turbo
Cilindrada 1560
Diâmetro x curso (mm) 75,0×88,3
Taxa compressão n.d.
Potência máxima (cv/rpm) 120/3500
Binário máximo (Nm/rpm) 300/1750
Transmissão e direcção
Tracção Dianteira
Caixa Manual de 6 velocidades
Direcção Pinhão e cremalheira, com assistência eléctrica
Dimensões e pesos
Comp./largura/altura (mm) 4329/1789/1523
Distância entre eixos (mm) 2608
Largura de vias fte/tras. (mm) 1522/1515
Travões fr/tr. Discos ventilados/discos
Peso (kg) 1280
Capacidade da bagageira (l) 380
Depósito de combustível (l) 60
Pneus série 225/45 R17
Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s) 10,6
Velocidade máxima (km/h) 197
Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) 3,5/4,4/3,8
Emissões de CO2 (g/km) 100
Preço sem promoção/com promoção (Euros) 29.258/25.958
Preço da unidade ensaiada/ PVP promocional da unidade ensaiada (Euros) 30.083/26.783

 

Equipamento de série

ABS
Seis Airbags
Controlo electrónico de estabilidade
Cruise-control
Sensores de estacionamento atrás e à frente
Travão estacionamento eléctrico
Alerta de viatura em ângulo-morto
Detecção de Pneu Vazio
Computador de bordo
Volante com regulação em altura e profundidade
Sensor de luz e chuva
Retrovisor interior electrocromático
Vidros eléctricos atrás e à frente
Luzes diurnas em LED
Faróis de nevoeiro com luz de curva
Retrovisores elétricos com iluminação
Vidros TR escurecidos
Banco do condutor e passageiro com massagem “twin zone”
Ar condicionado automático bizona + função REST
Sistema audio CD RDS MP3
Jantes de liga leve 17″
Acesso mãos-livres ao habitáculo

Opcionais da unidade ensaiada

Pintura metalizada (€425)
Sistema de navegação com ecrã táctil (€400)

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Carlos Coelho no encerrramento da XVIII Conferência Human Resources
Marketeer
Dona da Louis Vuitton investe em marca optimista