Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Renault Mégane aproxima-se do ‘universo’ Premium

[easingslider id=”23775″]

O novo Mégane é a grande estrela do stand da Renault no Salão de Frankfurt que, além de uma vasta gama de motores Diesel e gasolina, terá ainda uma versão mais desportiva GT, criada em associação com a Renaultsport, assim como uma versão híbrida que chegará apenas em 2017.

Baseado na arquitetura Common Module Family (CMF) da Renault, este modelo procura oferecer, de acordo com a marca, tecnologia normalmente presente em automóveis de segmentos superiores, como um painel de instrumentos com um ecrã de sete polegadas TFT, ecrã tátil de 8.7 polegadas que alberga o sistema de infoentretenimento R-Link 2, assim como o sistema 4Control com quatro rodas direcionais na versão GT.

Em termos estéticos, o novo Mégane está 64 mm mais longo, 25 mm mais baixo e 28 mm mais largo, procurando assim oferecer cotas de habitabilidade mais amplas. No exterior, o destaque vai para a grelha de maiores dimensões, assim como para os faróis em formato C com tecnologia LED, que se estendem até ao para-choques. Com apontamentos cromados à volta das janelas, emblemas e puxadores de portas, este Mégane conta ainda com entradas de ar na dianteira, defletores na traseira e ‘flaps’ motorizados que tornam este modelo mais dinâmico e eficiente.

Foi dada especial atenção aos acabamentos e materiais utilizados para equipar o interior do novo Mégane, desde os bancos ao painel central. Dentro do habitáculo, este compacto destaca-se pela consola central em materiais suaves e pelo volante que, em alguns níveis de equipamento, é constituída por pele Nappa e detalhes em cromado, o mesmo se passando com os comandos da ventilação e na consola central, entre outros.

É nesta consola central que se encontra o já referido sistema R-Link 2 que inclui reconhecimento de voz para uma condução mais segura, com comandos relacionados com a navegação, o telefone, as aplicações e rádio. Destaque ainda para o sistema de som BOSE, com nove altifalantes, subwoofer e amplificadores digitais. No que concerne a capacidade de carga, a nova geração deste compacto conta com 434 litros.

Tecnologia de topo de gama num compacto

A partilha da plataforma de produção com os modelos Espace e Talisman faz com que este Mégane herde algumas das tecnologias associadas a segmentos superiores. Para além do ecrã TFT, que permite ter acesso a informações como a velocidade, instruções de navegação ou ajudas à condução, e do sistema R-Link 2 num ecrã tátil de 8.7 polegadas, este automóvel está ainda equipado com cruise control adaptativo, travagem automática em caso de emergência, alerta de saída da faixa de rodagem, alerta de distância de segurança, deteção de veículos no ângulo morto e avisos de velocidade máxima, sendo este último conseguido através da leitura de sinais de trânsito. Estão incluídos ainda uma câmara traseira e ajuda ao estacionamento traseiro, lateral e frontal sem mãos.

A tecnologia Multi-Sense é uma das novidades neste âmbito, permitindo aos condutores personalizar a sua experiência de condução ao modificar a resposta do motor e do acelerador, alterando igualmente a resposta da caixa automática Efficient Dual Clutch (EDC) quando equipada. Este sistema permite ainda controlar a função de massagens dos bancos e a luz ambiente dentro do habitáculo (verde, vermelho, azul, castanho e roxo), estando disponível em cinco modos de condução: Sport, Normal, Comfort, Perso (personalizável) e Eco. Na versão GT, o modo Eco é substítuida pelo modo R.S. Drive.

Gama de seis motorizações dos 90 cv aos 205 cv

A gama de motores do novo Mégane é constituída por três motores Energy dCi Diesel que debitam 90 cv, 110 cv e 130 cv e três unidades TCe gasolina com 100 cv, 130 cv e 205 cv. A caixa de velocidades EDC automática estará disponível com o motor dCi 100 e com o TCe 130, com seis e sete velocidades, respetivamente. Na versão GT, a caixa de sete velocidades será incluída de série quando acoplada ao motor TCe 205.

A principal aposta da Renault recairá no bloco Energy dCi 110 com caixa manual de seis velocidades, que emite 86g por cada quilómetro percorrido. Em 2017, chegará a versão híbrida que conjugará um motor elétrico a um bloco Diesel, contando com um consumo de 3 litros por cada 100 km percorridos e emissões de 76 g/km. A energia será gerada pela eletricidade criada na aceleração e desaceleração do motor.

A versão mais desportiva preparada em cooperação com a Renaultsport terá características exteriores e interiores únicas, estando equipada com o motor TCe de 205 cv e caixa EDC de sete velocidades e sistema 4Control. O design do para-choques frontal denuncia a presença do ADN da divisão desportiva da Renault, assim como as entradas de ar mais largas, acabamento em Dark Metal e as jantes em formato diamante com 18 polegadas. No interior, a presença da Renaultsport é visível nos bancos com o logótipo da marca, os pedais em alumínio, o volante com patilhas e os materiais à escolha para os bancos: tecido, pele Alcantara com riscas azuis e Alcatara com riscas pretas.

Em Portugal, este é o segundo modelo mais vendido da Renault, atrás do utilitário Clio, representando 27,1% das vendas da marca francesa no mercado nacional. Em 2014, foram comercializadas 4427 unidades deste modelo no nosso país.

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
A sua empresa pode fazer sorrir crianças hospitalizadas. Saiba como.
Marketeer
Insectos comestíveis estão a ganhar terreno em Portugal