Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Ensaio Opel Corsa OPC: Concentrado de diversão

20150930_161342

A anterior geração do Opel Corsa OPC, sobretudo na edição especial Nürbugring, logrou colocar-se por mérito próprio em posição de destaque entre os utilitários desportivos, em especial pelo comportamento preciso e pelas prestações do motor de 210 cv. A mais recente geração do Corsa tinha, portanto, uma tarefa difícil de cumprir: oferecer uma versão OPC ainda mais acutilante e dinâmica assente numa nova base.

O resultado final, espelhado nesta bem conseguida carroçaria de três portas, prova que não há missões impossíveis. O novo Corsa OPC consegue retomar as premissas da geração anterior e elevar um pouco mais a fasquia, recorrendo ao motor 1.6 turbo de 207 cv de potência, valor suficiente para incrementar a adrenalina em troços sinuosos, sobretudo pela forma como a mesma é transmitida ao eixo dianteiro.

Embora sobrealimentado, este bloco vê anulado quase na totalidade os efeitos de ‘turbo lag’, isto é, o atraso na atuação do turbo em relação à pressão no acelerador. A entrega de potência acontece desde um patamar baixo de rotações, embora só junto à fasquia das 1900 rpm se sinta em pleno a entrada em ação do turbo, momento a partir do qual o ponteiro das rotações sobe de forma veloz e, consequentemente, também a velocidade. Em recuperações acaba por ser impressionante o fulgor com que reage, encostando os ocupantes aos bancos sempre que o pé direito pressiona o acelerador até ao fundo, com os seus 280 Nm de binário em overboost a fazerem-se sentir de forma impetuosa (245 Nm de binário em modo ‘normal’ entre as 1900 e as 5800 rpm). E é nessa impetuosidade que reside uma boa parte da diversão oferecida por este utilitário.

Mesmo com o diferencial autoblocante do pacote opcional ‘Pack Performance’ (obrigatório para quem quer a experiência total OPC), a direção não afasta por completo o chamado ‘torque steer’, reagindo com alguma brusquidão a acelerações mais vigorosas, sobretudo nas três primeiras relações de caixa (de escalonamento curto, como se pretende…), efeito que é exponenciado quando o piso apresenta desnivelamentos mais acentuados. Mas isso apenas acrescenta um nível adicional de diversão (e de desafio) para o condutor. O controlo de estabilidade (ESP) tem um modo desportivo que é adequado para a maior parte dos momentos mais espirituosos – desativando o controlo de tração -, mas os mais afoitos podem mesmo desligar o controlo de estabilidade por completo e levar o Corsa OPC por sua conta e risco.

Chegados até aqui, importa referir que o comportamento é um ponto bastante positivo deste Opel, refletindo o bom trabalho feito pelos engenheiros do Opel Performance Center na conceção do chassis. As primeiras curvas feitas com mais ‘alma’ exigem, de certa forma, habituação à forma direta como a traseira (com eixo completamente redesenhado) consegue seguir a dianteira. Mas, cumprida essa etapa, a confiança suplementar e a neutralidade do chassis permitem que se ‘atire’ a frente para o interior da curva sem que existam reações adversas, para velocidades de passagem em curva elevadas.

Corsa OPC

Para tal muito contribui a combinação de suspensão rebaixada (menos 10 mm face às versões convencionais) com tecnologia de amortecimento de frequência seletiva (FSD) elaborada pela Koni, direção precisa e travões de disco de 330 mm que, além de mordazes, oferecem boa resistência à fadiga (sem o pack ‘Performance’, os discos são de 308 mm). De resto, há na experiência de condução deste Corsa OPC a mesma interligação entre condutor e máquina que se ‘apanha’ nalguns dos desportivos mais ‘crescidos’: o som do binómio turbo/intercooler (audível quando o ambiente envolvente não é mais do que a natureza) ou a sensação mecânica da caixa em cada relação engrenada são disso bons exemplos.

O conforto a bordo sai algo prejudicado pela firmeza da suspensão, que privilegia a dinâmica em detrimento da ‘souplesse‘ mas, pelo lado positivo, não se revela ‘imperdoável’ em piso medianamente irregular, o mais usual das estradas nacionais. Quanto aos consumos, tendem a alternar entre os 8 e os 9 litros por cada 100 quilómetros, consoante o fervor aplicado ao pedal do acelerador. O ensaio (com percursos em estrada de montanha, autoestrada, nacional e cidade) findou com uma média de 8,9 l/100 km, o que acaba por ser uma relativa surpresa face aos 7,5 l/100 km anunciados.

Interior típico OPC

O interior não destoa muito do de um Corsa comum, primando assim pela qualidade de montagem e pelos bons materiais gerais, o que já é apanágio deste utilitário germânico. Contudo, diferencia-se pelo punho da alavanca da caixa específico (embora, para a próxima, fosse preferível reduzir a dimensão do mesmo…), volante desportivo ‘cortado’ em baixo e pelos bancos tipo ‘bacquet’ da Recaro, forrados a couro e tecido e cuja sustentação do corpo é irrepreensível. A instrumentação também é específica para a versão OPC, havendo ainda insígnias espalhadas por diversos elementos do modelo, como nas soleiras das portas.

Corsa OPC

Quanto ao espaço a bordo também é interessante para um utilitário deste tipo com carroçaria de três portas, oferecendo espaço adequado para (basicamente) dois ocupantes adultos atrás, ainda que os mais altos possam tocar com a cabeça nas laterais do teto, muito arqueadas nas partes laterais. O acesso a esses lugares também não é brilhante… A bagageira destaca-se por oferecer 285 litros.

Para o final, deixemos a estética, sempre discutível, mas que no caso do Corsa OPC surge bastante refinada, não parecendo excessiva ou despropositada. Os para-choques mais amplos, a dupla saída de escape atrás (cortesia da Remus) com sonoridade cativante, o spoiler traseiro e a pequena entrada de ar no capot convergem para um visual mais marcante, mas não exagerado, sobretudo quando pintado na ‘eletrizante’ cor ‘Azure’. Em termos de equipamento, o Corsa OPC traz de série itens como faróis bi-xénon com comutação automática de luzes de médios e máximos, controlo de arranque em subida, cruise control e sistema IntelliLink com conectividade aos smartphones Apple e Android.

E o preço? A Opel propõe o Corsa OPC por 24.990 euros, num valor a que, como já foi referido anteriormente, devem ser acrescentados 2400 euros correspondentes ao ‘Pack Performance’, essencial para viver este modelo no seu máximo. Esse pacote inclui os travões Brembo de alta performance, o diferencial autoblocante mecânico da Drexler e as jantes de 18″ com pneus Michelin de alta performance. Ainda assim, o conjunto mantém-se num patamar acessível.

VEREDICTO

O Opel Corsa OPC oferece fortes argumentos para se destacar no segmento dos utilitários desportivos, graças a uma combinação acertada de precisão dinâmica, equipamento de série e respostas fugazes do motor 1.6 turbo de 207 cv. O fôlego do bloco sobrealimentado é mesmo um dos seus principais atributos, com a entrega da potência a fazer subir a adrenalina de forma rápida, o que é essencial no caso de um pequeno desportivo como o OPC. Além disso, o preço acaba por ser um fator com peso bastante acentuado, surgindo ligeiramente abaixo de todos os seus rivais no mercado, mas com a benesse de oferecer mais potência. Salta diretamente para um dos lugares cimeiros da categoria!

FICHA TÉCNICA

Opel Corsa OPC 1.6 turbo

Motor
Tipo 4 cilindros em linha, long., inj. multiponto, turbo, intercooler
Cilindrada 1598
Diâmetro x curso (mm) 79,0×81,5
Taxa compressão 8,8:1
Potência máxima (cv/rpm) 207/5800
Binário máximo (Nm/rpm) 245(280)/1900-5800
Transmissão e direcção
Tracção Dianteira
Caixa Manual de 6 velocidades
Direcção Pinhão e cremalheira, com assistência eléctrica
Dimensões e pesos
Comp./largura/altura (mm) 4021/1736/1479
Distância entre eixos (mm) 2510
Largura de vias fte/tras. (mm) 1472/1462
Travões fr/tr. Discos ventilados/discos
Peso (kg) 1293
Capacidade da bagageira (l) 285-1090
Depósito de combustível (l) 45
Pneus série – equipados
215/45 R17 – 215/40 R18 (Michelin Pilot Super Sport)
Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s) 6,8
Velocidade máxima (km/h) 230
Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) 6,2/9,9/7,5
Emissões de CO2 (g/km) 174
Preço (Euros) 24.990
Preço da unidade ensaiada (Euros) 27.890

Equipamento de série

Airbags dianteiros
Airbags laterais e de cortina
ISOFIX
Sensor de pressão de pneus
Desativação de airbag passageiro
ABS
Assistência de arranque em subidas
Controlo Electrónico de Estabilidade (ESPPlus)
Chassis Desportivo OPC
Espelho interior electrocromático (de série para Pack Iluminação)
Faróis Xenon, com luzes de cruzamento
Luzes Diurnas em LED
6 altifalantes (De série para IntelliLink)
Antena (De série para IntelliLink)
Computador de bordo
IntelliLink (BYOM)
OnStar
Ajuste do banco do condutor em 4 vias, com costas reclináveis
Banco traseiro rebatível 60/40
Bancos Recaro
Embaladeira com nome “OPC”
Pedais desportivos em Aluminio
Espelhos retrovisores na cor da carroçaria com ajuste electrico e aquecidos
Fecho centralizado com comando à distância
Grelha dianteira em preto carbono
Para-choques desportivos à frente e atrás
Saias laterais
Sensor de chuva (De série para Pack Iluminação)
Sensor de estacionamento (traseiro)
Vidros traseiros escurecidos
Jante LigaLeve 17″ (pneus 215/45 R17)
Kit de reparação de pneu
Ar condicionado
Comandos do rádio no volante
Programador de velocidade com limitador de velocidade (Cruise control)
Volante 3 raios em pele OPC
Volante ajustável em altura e profundidade
Controlo automático das luzes com deteção de tunel De série para Pack Iluminação
Pack Iluminação

Equipamento opcional

Pintura metalizada Azul Azure (500€)
Pack Performance: jantes de 18 polegadas com pneus Michelin Pilot Super Sport, diferencial Drexler, suspensão mais firme e discos de travão Brembo com 330 mm (2400€).

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Isabel Barros distinguida com prémio «Excelência» na liderança. Foi a única portuguesa
Marketeer
Lego lança minissérie no YouTube