Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Aparelhos mobile e passadeiras: a fórmula fatal

Pedestrianscrossing

Entre 2003 e 2013 morreram cerca de 85 mil peões, entre os 18 e os 24 anos de idade, devido a distrações com o telemóvel e outros aparelhos mobile. Devido a essa fatalidade, a Ford lançou um inquérito a 10 mil cidadãos europeus de modo a perceber a dimensão deste problema.

Os resultados mostraram que 57% dos inquiridos usam os seus aparelhos mobile enquanto atravessam as passadeiras, sendo que 47% também o faz em qualquer ponto da estrada. No que diz respeito a faixas etárias, são efetivamente os millennials, nomeadamente entre os 18 e os 24 anos que mais correm este risco: 86% referem o uso do telemóvel para falar, 62% para ouvir música e 34% para escrever mensagens. Além disso, cerca de 22% dos mesmos admitem já terem tido um acidente ou pelo menos estiveram perto disso devido a este tipo de distrações. Ver vídeos ou séries de televisão, ainda que numa percentagem mais pequena (cerca de 3%) começa também a ser um hábito, questão que assusta os especialistas uma vez que requer uma quantidade de concentração extrema.

Face a este e outros casos a Ford criou há 11 anos, nos EUA, um programa piloto intitulado de “Ford Driving Skills for Life” (DSFL) que visa treinar e ensinar todos aqueles que não têm noção da gravidade da condução sob os efeitos do álcool ou com utilização simultânea de aparelhos tecnológicos. Na Europa, o projeto está presente desde 2013, conta com a participação de várias organizações de segurança e terá lugar na próxima semana nacional de segurança na estrada, a acontecer em Londres, entre os dias 20 e 22 de novembro.

Felizmente, a tecnologia da marca norte-americana está a tentar combater as falhas destes peões ao desenvolver uma tecnologia de deteção dos mesmos que poderá prevenir acidentes. O sistema está disponível nos novos modelos Galaxy, Mondeo e S-MAX.

 

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Marketeer
IKEA vai financiar projectos que promovam o direito a brincar