Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Novos Kia Optima e Soul EV chegam a Portugal

A Kia revelou mais dois modelos para dar continuidade à ofensiva de novos produtos que tem sido lançada desde o ano passado e que tem alicerçado o crescimento da marca Sul-Coreana em Portugal e na Europa. Com chegada já para este mês, o Optima posiciona-se no ‘coração’ do segmento D das berlinas Premium, surgindo completamente renovado e repleto de equipamentos que visam colocá-lo num patamar de destaque, além de um preço promocional de 30.180 euros.

Crescendo em todos os sentidos, o novo Optima surge com um desenho dinâmico e desportivo, sendo mais longo, alto e largo. A distância entre eixos foi prolongada em 10 mm (para os 2805 mm), com o comprimento total do veículo a apresentar agora, também ele, mais 10 mm (num total de 4855 mm). Ao mesmo tempo, este novo modelo é 25 mm mais largo (passando para os 1860 mm) e 10 mm mais alto (1465 mm).

Estas alterações contribuem para um habitáculo mais amplo e confortável, com mais espaço ao nível da cabeça, dos ombros e, nos lugares traseiros, das pernas. A capacidade de carga aumentou também, ainda que ligeiramente, dos 505 litros para os 510 litros.

Ainda ao nível do interior, a Kia procurou conferir ao novo Optima um ambiente mais requintado e silencioso, graças a vasto trabalho de melhoria ao nível de ruído, vibrações e aspereza (NVH). Algumas das inovações mais importantes para reduzir os níveis de NVH são a cobertura mais ampla sob o piso e os vedantes de para-brisas mais eficazes. Por seu turno, o maior isolamento do tablier ajuda a diminuir o nível de ruído do motor no habitáculo em 4%, situação para a qual contribuem também as melhorias gerais em termos de desempenho acústico da maioria dos motores disponíveis para o Optima.

Os materiais foram melhorados, ao passo que a consola central apresenta uma inclinação de 8,5 graus na direção do condutor, com a parte superior a apresentar um sistema de infoentretenimento com ecrã tátil de 8 polegadas e a zona inferior a apresentar menos botões do que no modelo anterior. Os botões que permanecem, permitem gerir as funções do habitáculo que ainda não estão integradas no ecrã tátil.

Maior rigidez para maior eficácia

A nova carroçaria desempenha um papel fundamental no aumento dos níveis de requinte, fruto da mais extensa aplicação de ligas de aço de alta resistência. Beneficiando de maior rigidez na estrutura da carroçaria, bem como nos respetivos painéis e nos apoios do motor, o Optima consegue diminuir o nível de vibrações no habitáculo.

Além disso, a carroçaria surge mais rígida, fruto da maior utilização de aço avançado de alta resistência (UHTS). Desta forma, 50% da carroçaria é agora construída com este tipo de aço (num aumento de 150% em relação ao modelo anterior, que se ficava pelos 20%), verificando-se também um assinalável aumento (de 450%) ao nível da quantidade de adesivos estruturais utilizada. O resultado é uma rigidez à torção 50% superior em relação à versão anterior do Optima, enquanto a carroçaria se revela 8,6 kg mais leve. As ligas de aço de maior resistência foram aplicadas para reforçar os pilares A e B, os estribos, o tejadilho, o piso, as cavas das rodas dianteiras e o painel separador traseiro, reforçando no seu todo a integridade estrutural da carroçaria.

O Optima beneficia agora de um novo sistema de direção assistida com motor elétrico montado na cremalheira (R-MDPS), disponível de série para os modelos europeus equipados o motor 1.7 CRDi. Além disso, disponibiliza ainda o opcional sistema de suspensão com controlo eletrónico e válvulas internas (ECS), que oferece uma sensação a bordo e uma resposta de condução adaptadas aos gostos dos condutores europeus.

A segurança passiva surge ainda mais reforçada com os sete airbags disponíveis, um a mais do que no modelo anterior, surgindo com airbags para o condutor, para a zona dos joelhos do condutor, para o passageiro, frontais e de cortina.

Motores e equipamento: escolha única

Quanto a motores, a Kia apostou numa única versão, embora com duas variantes de caixa: caixa manual de seis velocidades ou automática de dupla embraiagem (7G-DCT). O renovado motor 1.7 CRDi foi ‘herdado’ da versão anterior, mas fortemente revisto para melhor adaptação ao novo Optima. Apresentando agora uma potência de 141 cv (mais 5 do que na versão anterior) e 340 Nm de binário (face aos 325 Nm do seu antecessor), o renovado motor 1.7 diesel revela melhorias em termos de prontidão de resposta, binário elevado a baixas rotações, eficiência de consumo e NVH. Este motor apresenta ainda um índice de emissões de CO2 muito menor (reduzido em 14%, para os 110 g/km) quando equipado com caixa de velocidades manual e função de poupança de combustível Idle Stop/Go.

O binário máximo está agora disponível entre as 1750 e as 2500 rpm, oferecendo uma maior facilidade de condução numa gama mais ampla de regimes do motor (o binário máximo na versão anterior do Optima estava disponível entre as 2000 e as 2500 rpm).

Quando equipado com a nova DCT, o motor 1.7 CRDi vê as suas emissões de CO2 baixar para os 116 g/km, uma melhoria de 40 g/km em relação à versão anterior do Optima equipada com caixa automática de seis velocidades.

Única é também a gama de equipamento – TX – que se afigura como a mais completa, incluindo o sistema de assistência à manutenção na faixa de rodagem (LKAS) e Indicador dos Sinais de Trânsito (SLIF). Além dos bancos com ajuste elétrico, os clientes poderão escolher entre os sistemas de infoentretenimento e navegação com ecrã tátil de 7 ou 8 polegadas, ambos compatíveis com rádio digital DAB, que se encontra disponível em muitos países europeus.

Também disponível de série está o sistema Kia Connected Services, que oferece um vasto conjunto de informações atualizadas e direcionadas para a condução, como a navegação TomTom com informações de trânsito em tempo real, meteorologia, radares e atualizações gratuitas por sete anos. Este sistema está ligado a um sistema áudio com seis altifalantes de série. Como opção, surge um sistema Harman Kardon Premium Sound, com 590 watts, que conta com 10 altifalantes, amplificador externo e tecnologia de restauração de MP3 Clari-Fi. O porta-bagagens pode contar com sistema ‘hands-free’ de abertura sem utilização das mãos.

Preços de ‘combate’

Verdadeiro modelo global, o Optima deriva diretamente do Credos, modelo que foi lançado – timidamente – no ano de 1995 e que deu origem a esta linhagem. A marca reconhece que a sua tarefa não será fácil num segmento em que o grande domínio reside nas marcas Premium – Audi, BMW, Mercedes-Benz, Jaguar e Volvo – com um total de 62% das vendas. Cabe assim à Kia batalhar entre as marcas que constam dos restantes 32% de mercado. Para ajudar na sua batalha chegará no final do ano a variante carrinha e, em setembro, uma versão Plug-in Híbrida (PHEV), bem como um sedan de alta performance, o primeiro da Kia Motors Europe.

Em termos de preços, a Kia volta a apostar num desconto muito agressivo para este modelo. Assim, para o Optima 1.7 CRDi com caixa manual o custo ‘normal’ é de 35.680 euros, embora o desconto de 5500 euros o coloque uma fracção acima dos 30.000 euros: 30.180 euros. Já a versão com caixa automática é mais cara (38.270 euros), mas o desconto é maior (6000 euros), cifrando-se o seu preço final nos 32.270 euros.

O elétrico com ‘alma’

Também prestes a chegar ao mercado luso está o novo Kia Soul EV, modelo que junta ao seu aspeto irreverente a tecnologia vanguardista da motorização elétrica. Pensado para melhorar a imagem da marca rumo a uma visão ‘eco-friendly’ avançada e destinado aos mercados Norte-Americano e Europeu, naqueles que serão os seus principais mercados.

Com 212 quilómetros de autonomia e otimizado para condução elétrica, o Soul EV demarca-se pelo aspeto exterior específico, com interior mais tecnológico e ‘limpo’ de botões, tecidos ecológicos para os bancos, cores diferentes, iluminação LED, jantes específicas e sigla ‘eco-electric’ para uma identidade própria.

Surgindo com tecnologias como o sistema de conectividade mais avançado e que permite algumas funcionalidades remotas específicas, como a temporização do carregamento (útil para programar o carregamento das baterias para uma hora de ‘vazio’ em tarifa bi-horária), consumo instantâneo de todos os consumíveis ou programação do ar condicionado de forma remota, também com função ‘driver only’, que direciona o fluxo unicamente para o condutor e não dispersa o ar pelos outros lugares.

Quanto ao motor, trata-se de uma unidade A/C sincrono de íman permanente de 81.4 kWh (110 cv) e 285 Nm de binário desde o arranque. A bateria de polímeros de lítio (localizada sob o piso do habitáculo) tem uma capacidade de 27 kWh e 360 V. O carregamento rápido numa tomada de 100 kW leva 25 minutos para repor 100% da carga, enquanto num posto de 50 kW leva cerca de 33 minutos. Numa tomada doméstica de 8 Amperes, o tempo de carga é de oito a nove horas, ao passo que com a ‘wallbox’ (que a Kia está a negociar com um parceiro para instalação em casa de clientes) esse tempo é reduzido para cinco horas. A marca assume sete anos de garantia para as baterias, mas assevera que ao fim de 15 devem manter ainda 70% de capacidade.

Sendo um modelo altamente específico, o Soul EV será vendido em três concessionários (que também terão a seu cargo a parte de assistência técnica), espalhados por Porto, Lisboa e Algarve. O preço deste modelo elétrico é de 33.990 euros, sendo de lembrar que os veículos elétricos contam com diversos benefícios, como o estacionamento gratuito nalgumas cidades, eletricidade Mobi-E gratuita, isenção do IUC e da tributação autónoma, entre outros.

Para 2o16, a Kia prevê vender 30 unidades, com uma quota de mercado de 0,6% de um total de 4500 veículos elétricos vendidos. Em 2017, prevê-se aumento para 100 unidades, ou seja, quota de 1,6% de um mercado composto por 6000 veículos matriculados e, em 2018, 150 Soul EV vendidos, para quota de 2% de um total de 7500 elétricos vendidos em Portugal.

Ler Mais

pub


OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...