Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Fiat Tipo recebe versões de 5 portas e Station Wagon

A fórmula encetada pela Fiat no seu regresso ao segmento C parece estar já a gerar os seus frutos. Com o modelo de três volumes a apresentar-se já com um muito interessante percurso comercial na Europa (leia o nosso ensaio), a Fiat promove um ‘ataque’ completo a este segmento mercado, do qual tem estado afastado há algum tempo, com a chegada para breve das muito importantes versões de cinco portas e carrinha (Station Wagon), as quais surgem num momento de elevada importância para a marca de Turim.

Foi precisamente naquele histórico complexo industrial, que a Fiat deu a conhecer aos jornalistas as novas versões do Tipo, fazendo recuperar um pouco do posicionamento que a marca sempre teve no seu passado. Afinal, olhando para o longo, longo historial da Fiat, alguns dos modelos mais notórios foram os de fácil acesso, mas que primaram pela facilidade de utilização e baixos custos de utilização. É sob essa mesma premissa, anunciada com notável candura pelos seus responsáveis, que a marca pretende agora marcar uma posição de força no segmento C, que continua a ser um dos mais relevantes na Europa. Além disso, ‘pisca o olho’ aos clientes frotistas, percebendo que uma boa parte do sucesso comercial se faz com esta faixa de mercado.

Na apresentação à imprensa, por diversas vezes se salientou o facto de o Tipo ser um modelo de custo justo, ou seja, uma proposta com relação qualidade/preço bastante equilibrada e é este mesmo posicionamento que trará maiores vantagens para a Fiat, possibilitando mesmo que o Tipo possa surpreender os seus clientes pela positiva.

Os seus atributos assentam, sobretudo, em três vertentes: personalidade, funcionalidade e simplicidade, num trio de características que são vistas pela Fiat como essenciais para uma boa performance comercial e para a obtenção de um produto muito equilibrado. E o novo Tipo nas suas declinações de 5 portas e carrinha consegue sê-lo.

Em termos de dimensões, o compacto de 5 portas mede 4,37 metros de comprimento, 1,79 metros de largura e 1,50 de altura, ao passo que a carrinha acrescenta 20 cm ao comprimento para atingir os 4,57 metros. A altura cresce para 1,51, devido às barras de tejadilho, mas a largura é idêntica.

O desenho é replicado a papel químico do modelo de três volumes, mas apenas até certo ponto: do pilar B para trás as diferenças são evidentes. As duas versões surgem com uma proporcionalidade racional na secção traseira, conferindo-lhe uma elegância que evidencia bem os traços de família. Os rasgos de ousadia estética estão muito confinados aos farolins com tecnologia LED e a alguns detalhes na traseira, mas estes Tipo são essencialmente sóbrios. Sem desprimor.

Habitáculo acolhedor

No interior, registam-se bons apontamentos ao nível da integração das diversas peças e, também, dos materiais utilizados. Os mais agradáveis ao toque estão colocados na parte superior do tablier, ao passo que na zona inferior ficam alguns plásticos rijos, mas mesmo esses dão a impressão de um ambiente muito satisfatório no interior. Apenas a junção do forro ao tejadilho poderia ser melhor na zona junto ao para-brisas.

O desenho da consola central prima pela racionalidade, com o ecrã do sistema Uconnect posicionado na parte superior (de 5″ ou de 7″, consoante a versão escolhida) e os comandos do ar condicionado dispostos de forma lógica na parte inferior.

Tal como no Tipo Sedan, a habitabilidade também surge em destaque, com muito espaço para todos os ocupantes em ambas as versões. Atrás, três adultos conseguirão viajar sem grandes problemas, com amplitude nas três cotas – altura, largura e comprimento para as pernas, numa apreciação que é válida para o 5 portas como para a carrinha, com esta última a destacar-se, no entanto, pela volumetria da bagageira (550 litros) e pelo amplo bocal da bagageira. Os bancos rebatíveis conferem 1800 mm de comprimento num piso plano até aos bancos dianteiros. O compacto também conta com muitos interessantes 440 litros de capacidade na mala. Os locais de arrumação (9 para um total de 12 litros) também merecem menção.

‘Keep it simple’ (sê simples)

Em personalidade (estética) e funcionalidade (interior) o novo Tipo já vai merecendo créditos, mas ainda falta abordar o conceito de simplicidade e aqui importa regressar um pouco atrás, aos modelos contemporâneos que fizeram da Fiat uma marca apreciada: do saudoso 500 do passado ao moderno 500 do presente, passando pelos 127, Uno e Tipo anteriores, a Fiat marcou uma posição de grande força pela sua simplicidade e pelo facto de ser uma marca que ‘entrega’ o que promete. Regressar a esta receita apenas pode ter benefícios, já que permite manter uma faixa de clientes jovem interessada no conceito perpetrado pela marca de Turim. Os responsáveis da companhia do grupo Fiat Chrysler Automobiles (FCA) também reconhecem esse imperativo e entregam ao novo Tipo – herdeiro da designação do original, cujo maior sucesso foi o troféu de Carro do Ano Europeu de 1989 – e o nascimento do novo modelo abarca precisamente esta variante.

A este propósito, a gama de equipamentos e de motores é… simples. Dois níveis apenas – Easy e Lounge – e três opções de motorizações, uma com base no 1.4 a gasolina de 95 cv (127 Nm de binário) e outras duas de âmbito diesel com base no 1.3 Multijet de 95 cv (200 Nm de binário) e no 1.6 Multijet de 120 cv (320 Nm de binário). Num breve percurso em redor da cidade de Turim pudemos experimentar as unidades de 5 portas e carrinha equipadas com o motor mais potente e, tal como já sucedeu no Tipo Sedan, a impressão é bastante positiva, com respostas enérgicas logo em baixas rotações, contribuindo assim para uma condução ritmada, sobressaindo também nas recuperações. O motor a gasolina apresenta consumo médio de 5,7 l/100 km e emissões de 132 g/km de CO2, ao passo que as versões a gasóleo registam média de 3,7 l/100 km tanto no 1.3 como no 1.6 Multijet, enquanto as emissões são de 99 e 98 g/km de CO2.

Graças a suspensão ligeiramente diferente, o modelo de 5 portas revela neutralidade de reações e enorme segurança em curva. O compromisso, no entanto, está notoriamente orientado para o conforto, com boa capacidade de filtragem das irregularidades e supressão dos incómodos para os passageiros. Face a isso, o rolamento da carroçaria é algo pronunciado, mas sem que isso afete a noção geral de estabilidade em curva. Quanto à direção, conta com um tato algo artificial e pouco ‘feedback‘ do que se passa no asfalto. A supressão dos ruídos está também bem conseguida.

Preço certo

Os preços prometem, ainda, potenciar o sucesso deste modelo da Fiat. Por diversas vezes, os responsáveis da marca, como Giorgio Cornacchia, Diretor de Desenvolvimento do Tipo, salientaram a premissa do “custo certo”, ou seja ter o equipamento certo com o motor certo pelo custo certo. Mas, também deixaram bem claro que o novo Tipo está longe de ser um veículo ‘low-cost’. Não o é, quer pelo refinamento que oferece na condução, quer também pelo equipamento que disponibiliza, como disso são exemplos os novos sistemas Uconnect HD Live de segunda geração, com amplas possibilidades de conectividade e sistema de navegação (o primeiro do grupo FCA a receber este novo sistema tecnológico), controlo de estabilidade, seis airbags, sensor de pressão dos pneus e ar condicionado, entre outros itens.

No caso do 5 portas, a versão de entrada 1.4 de 95 cv a gasolina tem um custo de 16.900 euros no nível Easy e de 18.150 na versão Lounge. O motor 1.3 Multijet, por seu lado, tem custo de 19.700 euros no nível Easy e de 20.950 euros no caso Lounge. Por fim, a versão 1.6 Multijet tem um preço de 22.300 euros no nível Easy e de 23.550 euros no caso do mais equipado Lounge.

Para a carrinha, cuja chegada, recorde-se, está apenas agendada para setembro, os preços iniciam-se nos 17.900 euros do 1.4 a gasolina e culminam nos 24.550 euros da variante 1.6 Multijet de 120 cv. Pelo meio, a carrinha com motor 1.3 Multijet terá custo de 20.700 euros.

Em suma, o regresso da família Tipo faz-se com uma série de atributos que prometem recolocar este nome na senda do sucessso do segmento C, atendendo sobretudo à sua capacidade em ir ao encontro do essencial para uma franja de clientes que ambiciona custo controlado e um compromisso bastante interessante na relação custo/benefício. Espaçoso, equilibrado e despachado, sobretudo com o 1.6 MultiJet de 120 cv, o Tipo regressa no momento certo.

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Estas profissões vão desaparecer já a partir deste ano. Saiba se a sua é uma delas
Marketeer
58% dos profissionais de Marketing e Vendas procura novo emprego