Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Airbags Takata afetam 100 milhões de veículos

A revelação por parte da Takata que os seus sistemas de detonação de airbag podem ter defeitos que podem causar a morte, leva a que cerca de 100 milhões de veículos de 13 marcas diferentes tenham de ser chamados para reparações. Será o maior “recall” da história da indústria automóvel!

O maior construtor mundial de airbags confessou que escondeu durante anos provas de problemas potencialmente letais no sistema de detonação dos airbags. Isto depois de ter pago mil milhões de dólares em multas (25 milhões de multa, 125 milhões para indeminizações às vitimas feridas ou mortas pelos airbags e 850 milhões às marcas que utilizam os seus sistemas) devido a, pelo menos, 12 mortes e 180 feridos atribuídos a falhas no sistema.

A falha nos detonadores foi aventada em 2006, quando responsáveis da Takata confessaram que alguns dos seus detonadores faziam expandir em demasia e com demasiada força, pulverizando estilhaços de metal. Porém, a verdadeira extensão do problema só agora foi conhecida.

Segundo Andrew Weissmann, responsável pela seção de fraudes do Departamento de Justiça dos EUA, disse que “por mais de uma década a Takata, repetidamente e sistematicamente, falsificou dados de testes relacionados com a segurança dos seus produtos, colocando o lucro e a agenda de produção à frente da segurança.”

Contas feitas, serão cerca de 42 milhões os veículos afetados nos Estados Unidos da América, estando os restantes 68 milhões espalhados pelo mundo. A Honda será a marca mais castigada, mas há mais marcas que utilizam airbags da Takata (Acura, Audi, BMW, Chevrolet, Chrysler, Daimler, Dodge, Ferrari, Fisker, Ford, GMC, Infiniti, Jaguar, Jeep, Land Rover, Lexus, Lincoln, Mazda, McLaren, Mercedes, Mercury, Mitsubishi, Nissan, Pontiac, Ram, Saab, Saturn, Scion, Subaru, Tesla, Toyota e Volkswagen).

A recolha dos veículos será feita por cada construtor, com especial incidência nas zonas do globo onde há mais humidade e chuva, pois segundo os dados da Takata, o sistema fica mais sensível com essas condições de clima e pode espoletar uma detonação não prevista. A reparação será feita sem custos para o cliente. Em Portugal haverá um número ainda indeterminado de veículos afetados, cujos proprietários serão contactados para que veja substituído todo o sistema de airbags do seu veículo.

Apesar desta situação grave, todos os serviços de proteção do cliente e a maioria dos construtores pedem aos utilizadores para não desligarem os airbags pois as auto detonações são raras e é sempre preferível ter o airbag a funcionar que desligado.

Como referimos acima, este será a maior operação de recolha de veículos a nível mundial, sendo certo que em termos de fornecedor de componentes, a Takata bate o recorde de recolha de veículos na história da indústria automóvel.

Fique a conhecer, agora, as 10 maiores operações de recolha feitas até hoje

1º Ford – 21 milhões de veículos em 1980 devido a problemas com o travão de mão
2º Ford – 14,9 milhões de veículos entre 1999 e 2009 devido a incêndios nos botões do “cruise control”
3º Toyota – 9 milhões de unidades em 2010 devido a aceleração súbita do carro sem intervenção do condutor
4º Volkswagen – 8,5 milhões de veículos em 2016 devido à manipulação das emissões poluentes
5º Ford – 7,9 milhões de unidades em 1996 devido a incêndio nos botões de ignição
6º Toyota – 7,4 milhões de veículos em 2012 devido a um problema com os vidros elétricos
7º General Motors – 6,7 milhões de unidades em 1971 devido a súbita aceleração causada por um apoio de motor defeituoso
8º General Motors – 5,8 milhões de veículos em 1971 devido a um problema com um parafuso da suspensão traseira
9º General Motors – 5,8 milhões de unidades em 2014 devido a problemas cm o canhão de ignição
10º Honda – 5,4 milhões de veículos em 2014 devido a problemas com os airbags
Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Sharing my Change: Soft skills, Strong changes
Marketeer
Algarve quer entrar em 2020 na companhia de turistas andaluzes