Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

SEAT mostra como se restaura um 600 descapotável

O automóvel que motorizou Espanha celebra este ano o 60° aniversário e para assinalar a data, a SEAT restaurou um 600D descapotável, com recurso a métodos totalmente artesanais e a uma equipa de mais de 30 pessoas. A apresentação deste clássico será feita no Automobile Barcelona.

Este projeto parte de um SEAT 600 descapotável fabricado em 1965 e vendido a um particular. Estava parado há 25 anos, o que justificou a necessidade de um apurado e minucioso trabalho de chapa, pintura e mecânica. Segundo Ángel Lahoz, engenheiro do Centro Técnico da SEAT e responsável pelo projeto, “quase ficou melhor do que quando saiu da fábrica, há mais de meio século.

Foram gastas mais de 1500 horas para desmontar completamente e restaurar, peça a peça, este automóvel. Uma das maiores dificuldades foi reunir as mais de 1.000 peças originais substituídas. Foram usados 15 litros de tinta num tom cinzento azulado muito na moda e simultaneamente semelhante à tonalidade aplicada aos primeiros 600”, destacou Jordi Font, responsável pelo departamento Color&Trim da SEAT.

Para este automóvel fabricaram-se 50 metros de tecido exclusivo que pretende ser: “uma alegoria ao famoso padrão ´pata de galo´ a branco e preto, que nos recorda tempos passados, disse Font.

Entre todos os componentes do automóvel, destaca-se o teto de abrir com acionamento manual, que também foi integralmente restaurado de forma artesanal, o que incluiu a reconstrução de algumas peças em falta. O volante e o botão da buzina são os originais.

De relembrar que o SEAT 600 foi lançado em 1957 e converteu-se num fenómeno social por ter motorizado Espanha. Muitas famílias de classe média realizaram o seu sonho ao poderem comprar o próprio automóvel por 70.000 pesetas. O êxito foi tão explosivo que, em 1958, o ritmo de produção foi multiplicado por seis. Este modelo fabricou-se até 1973, com um total de cerca de 800.000 unidades produzidas.

Ler Mais

pub


OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...