Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Mercedes Classe X: tudo (mesmo) que precisa saber

As senhoras sabem, os senhores também… andar de saltos altos ou sapatos de cerimónia é bem diferente de caçar uns confortáveis sapatos vela ou umas sapatilhas. Ideal era ter um calçado pudesse ir á quinta e à vernissage. Vem esta conversa a propósito do novo Classe X da Mercedes. Feito com base no Nissan Navara, alia, recama a Mercedes, a robustez, funcionalidade, força e capacidade fora de estrada de uma pick-up com o estilo, conforto, segurança e dinâmica de condução de um Mercedes. Será que descobriram o ovo de Colombo?!

Claro que não, até porque isso não existe… acho eu! Interessa saber é que se é um amante das “pick-up” e da marca de Estugarda, a Mercedes oferece-lhe um destes veículos. Não tendo nada na sua gama que pudesse servir de base ao Classe X, a Mercedes deitou mão á parceria com a Aliança Renault Nissan escolhendo a Nissan Navara como ponto de partida para o Classe X. Uma boa escolha, pois a Navara é das melhores pick-up do mercado e até tem alguns desenvolvimentos tecnológicos interessantes como o eixo traseiro de molas helicoidais e cinco braços de guiamento.

Já agora, dizer que esta não é a primeira pick-up da casa de Unterturkheim, pois se revirarmos a sua rica e interessante história, encontramos algumas experiências e produtos comercializados, um deles com papel decisivo no pós guerra.

Se o W115 foi um produto sul-americano que por lá ficou, o 170V (foto ao lado) conheceu maior protagonismo. Sendo apenas uma proposta derivada da berlina 170V (equivalente da época ao atual Classe E), a pick-up foi muito importante durante a Segunda Guerra Mundial, mantendo esse estatuto quando a Mercedes recomeçou a produção automóvel, sendo o primeiro modelo a regressar à linha de montagem. Poderia ir mais longe, mas por aqui se percebe que o Classe X não é a primeira pick-up da Mercedes.

Como referi acima, o Classe X tem por base o Nissan Navara e a cabina do modelo é igualzinha à pick-up japonesa. A partir dai há uma multidão de detalhes, pormenores e pormaiores que transformam o Classe X num quase original Mercedes.

Começando, logo, pelo estilo da frente que, mantendo o músculo conferido pelos guarda-lamas elevados e pelo capô posicionado alto, exibe orgulhosamente a estrela de três pontas, a grelha com dupla barra, faróis que se estendem pelos guarda-lamas e um para choques musculado. Visto de frente, este é um Mercedes! Sem a menor dúvida!

Atrás, o trabalho foi menos apurado – embora na traseira de uma pick-up pouco se possa fazer… – e face à Navara da Nissan, para além do óbvio símbolo da Mercedes, os farolins e o para choques fazem a diferença, num conjunto que acaba por se afastar da Navara.

No interior, estão disponíveis seis revestimentos diferentes para os bancos, incluindo dois tipos de pele com pesponto contrastante, e duas cores para o revestimento do tejadilho, o que permite uma ampla escolha para decorar o interior do Classe X. A gama articula-se entre as versões Pure, Progressive e Power, sendo que esta última funciona como topo de gama e como base das versões de lazer. A primeira está virada para funções de trabalho, oferecendo robustez e praticabilidade, a segunda está a meio caminho entre a primeira e o modelo de lazer.

Para que a personalização seja completa, a Mercedes oferece uma completa linha de acessórios que passam por barras no tejadilho, coberturas para a caixa de carga, coberturas rígidas que fecham a parte traseira, criando um SUV, diversas soluções para armazenamento e condicionamento da carga.

Voltando ao interior, muitas peças vindas do Classe C e do Classe V, são usadas no Classe X, o volante é multifunções com 12 botões (!) e existe um ecrã de 5,4 polegadas entre os instrumentos com diversa informação.

Na casa das máquinas, a Mercedes vai oferecer, em 2018, o motor V6 turbodiesel com 258 CV. Até lá, a gama começa com o X220d (163 CV) e o X250d (190 CV), existindo uma versão a gasolina com 165 CV, mas apenas em alguns mercados. A transmissão pode ser manual de 6 velocidades ou automática de 7 velocidades. Os motores são, naturalmente, Nissan, exceto o V6 turbodiesel.

As suspensões, reclama a Mercedes, foram alteradas para que o conforto fosse melhorado. O esquema das suspensões que se destaca na Navara manteve-se, bem como os braços de guiamento do eixo rígido traseiro. Desta forma, como sucede com a Navara da Nissan, a capacidade de carga e de transporte de carga não é colocada em causa, mas o comportamento e o conforto melhoram muito.

A tração integral não é permanente, sendo o mesmo sistema utilizado na Navara, ou seja, na maior parte do tempo o Classe X é um tração traseira, mas com uma ação no botão rotativo colocado na consola, pode passar a 4×4 e, depois, a 4×4 com redutoras, aumentando a capacidade de tração. Em 2018, a Mercedes vai lançar uma versão própria com tração integral permanente, destinada aos modelos com motor V6. Todos os modelos de tração integral vêm com o Downhill Speed Regulation (DSR) como equipamento de série.

Dizer que em termos de ângulos de desempenho, o Classe X tem 30,1 graus de ângulo de ataque, 22 graus de ângulo ventral, 221 mm de distância ao solo, todas estas cifras com a altura máxima ao solo. Tem capacidade de inclinação máxima de 49,8 graus e 600 mm de travessia a vau.

O Classe X consegue transportar mercadoria até 1.1 toneladas, suficiente para transportar 17 barris de cerveja de 50 litros na área de carga. Pode rebocar até 3.5 toneladas, equivalente a um atrelado com 3 cavalos ou um iate de 8 metros. E olhando para o compartimento de carga, é de 1587 mm, a largura de 1920 mm e a altura de 474 mm, sendo a capacidade máxima de 1042 kgs.

Com dimensões semelhantes à Navara (5340 mm de comprimento, 1920 mm de largura, 1819 mm de altura e 3150 mm de distância entre eixos, enquanto a Navara exibe, respetivamente, 5330, 1850, 1840 e 3150 mm), o Classe X tem desempenhos igualmente parecidos. Além de passagem a vau de 600 mm, tem ainda uma altura ao solo de 202 mm (eixo da frente) e 221 mm (eixo traseiro) e ângulos de entrada, ventral e saída de, respetivamente, 28,8, 49 e 23,8 graus, pendente máxima de 22 graus e inclinação de 100%. O Classe X pode ser encomendado com 20 mm de altura ao solo extra, o que a coloca mais de 22 cm acima do solo. Mas esta opção está disponível, apenas, na Europa, pois os Classe X vendidos fora do Velho Continente, estão todos equipados com os 20 mm de altura ao solo extra.

Para além destas especificações, o Classe X da Mercedes está equipado com toda a parafernália de equipamentos de segurança e de ajuda á condução que um Mercedes exibe. Falamos do Active Brake Assist, do avisador de transposição inadvertida da faixa de rodagem, reconhecimento de sinais de trânsito, cruise control, entre muitas outras.

O Mercedes Classe X conta com o Mercedes Me, o que o destaca face aos rivais. Permite ligação entre o condutor e o veículo através do smartphone e fornece indicações importantes do veículo e não só.

A Mercedes reclama que o Classe X tem as vias mais largas do segmento com 1632 mm à frente e 1625 mm atrás (a Navara tem 1570 mm nos dois eixos), o que combinado com a longa distância entre eixos, permite, reclama a casa alemã, um comportamento mais eficaz em estrada. A travagem, com discos de 32 cm de diâmetro á frente e 30,8 cm atrás, permite excelente resposta e resistência à fadiga, reclama a Mercedes.

Para Wilfred Porth, membro da administração da Daimler,” o Classe X é uma forma “de fechar o vazio no nosso portfólio de modelos entre os modelos de passageiros e os comerciais. A divisão Mercedes de comerciais tem sido muito bem-sucedida e com este novo modelo, vai conseguir penetrar em mercados novos e com enorme potencial. A Mercedes Benz Vans vai tornar-se ainda amais internacional” Já Dieter Zetsche, patrão da Mercedes referiu na apresentação do modelo na África do Sul, que “o segmento para as pick-up de médio porte está maduro para receber um veículo Premium. Com o Classe X, vamos abrir o segmento a um novo grupo de utilizadores e redefinir o segmento tal como o fizemos há 20 anos nos SUV com o Classe M. A nossa pick-up convence como carro de trabalho, mas também como modelo de lazer e para a família. Ou seja, um Mercedes entre as pick-up!”

A GAMA PORTUGUESA

Para Portugal, a Mercedes oferece, para já, quatro modelos com dois motores e três linhas de estilo. O X220d, com motor de 163 CV, só existe na linha Pure, a mais básica das três. O X220d 4Matic está disponível na linha Pure e pode ser encomendado com a opção linha Progressive (+ 1700 euros + IVA). O X250d, com motor de 190 CV, pode ser adquirido com a linha Progressive enquanto o X250d 4Matic está disponível com a Pure e a opção das linhas Progressive (1700 euros + IVA) e Power (+ 5.700 euros + IVA). Contas feitas, o Mercedes X220d custa 38.086,92 euros, o X220d 4Matic fica por 46.705,25 euros, enquanto o X250d tem um preço de 41.137,32 euros e o X250d 4Matic fica em 47.676,95 euros, mais os valores das linhas de equipamento referidas.

Quanto ao equipamento, a lista é extensa começando no Pure. De série oferece jantes de aço 17 polegadas, ABS, active brake assist, caixa manual de 6 velocidades, faróis de nevoeiro, vidros elétricos dianteiros e traseiros, revestimento do piso em plástico, olhais de amarração, ar condicionado, rádio, assistente de sinais de trânsito, assistente de faixa de rodagem, fecho central com comando, sistema de assistência no arranque, cruise control, stop/start, MB Connect Base, chamada de emergência Mercedes Benz, estofos em tecido.

Já a linha Progressive, adiciona a tudo isto, jantes de liga leve 17 polegadas, travão de mão em pele, espelhos exteriores elétricos e aquecidos, espelho interior anti encadeamento, paneis da soleira da porta em alumínio, calhas de fixação de carga no chão, revestimento do piso em alcatifa, volante e alavanca da caixa em pele, sistema de som com 8 colunas, sensor de chuva, tecido Posada em preto.

Finalmente, a linha Power adiciona às duas outras linhas, jantes de liga leve de 18 polegadas (com pneus 255/60 R18), espelhos exteriores rebatíveis, faróis de nevoeiro com moldura cromada, sistema de luzes LED, faróis LED, regulação de velocidade em descida, tabliê em pele, apoio lombar no banco do condutor, banco do condutor e do passageiro com regulação elétrica, rede de arrumação do lado do passageiro, ar condicionado automático, sistema de áudio 20CD, acesso e arranque sem chave Keyless, estofos em pele/tecido.

Se a linha Pure não tem custos, para se ter um Mercedes X220d 4Matic, por exemplo, com a linha Progressive, terá de pagar mais 2.091 euros e para o Power mais 7.011 euros, são estes os valores que custam as linhas Progressive e Power. A pintura metalizada custa 774 euros, estofos em pele ficam por 1.348 euros, o alarme custará 492 euros o revestimento do piso em alcatifa fica por 129 euros, enquanto o revestimento em pele sintética custa, também, 129 euros. O equipamento elétrico para reboque fica por 197 euros, o gancho de reboque custa 664 euros e a proteção da janela traseira, 394 euros. O sistema Áudio 20CD orça em 258 euros, o sistema de navegação chega aos 615 euros mais 430 euros de pré-instalação. As jantes de liga leve de 17 polegadas custam 615 euros, as de 18 polegadas custam o mesmo e as de 19 polegadas 1.353 euros.

Quanto aos pacotes de equipamento, a Mercedes propõe quatro: Plus (1.057 euros), Comfort (1.869 euros), Style (3.321 euros) e Winter (516 euros). O bloqueio do diferencial traseiro custa 750 euros, suspensão com aumento da distância ao solo fica por 332 euros, a caixa automática custa 1.722 euros. Finalmente, na zona de segurança, a Mercedes pede 492 euros pela câmara de visão traseira e 1.389 euros pela câmara 360. Existe, também, uma série muito completa de acessórios como coberturas da caixa de carga (rígidas e não rígidas de enrolar entre 2.600 e 2.500 euros), proteção inferior do chassis (1.020 euros), separador da superfície de carga (583 euros), caixa de ferramentas (583 euros), calhas de fixação para a plataforma de carga (496 euros).

A Mercedes começará a comercializar em Portugal, no segundo semestre de 2018, o X350d 4 Matic equipado com o motor 3.0 V6 turbodiesel com 258 CV e 550 Nm de binário, acoplado a uma caixa de 7 velocidades G-Tronic.

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Quantas faltas justificadas pode dar no trabalho?
Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players