Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

SUV Rolls Royce vai chamar-se Cullinan. Saiba porquê.

A Rolls Royce confirmou que o primeiro SUV da marca será batizado de Cullinan. O SUV da marca, anunciado pela  em 2015, será um rival direto do Bentley Bentayga e do futuro Aston Martin DBX, agendado para 201, reporta a Automotive News Europe.

A Rolls Royce conta abrir as pré-encomendas do Cullinan ainda antes de terminado este ano e fazer as primeiras entregas a clientes no início der 2019. Será o segundo modelo da marca construído com base na plataforma de alumínio da Rolls Royce, que também serve de base ao novo Phanton.

As projeções do Grupo BMW, quer controla a Rolls Royce, apontam para que o Cullinan faça subir as vendas da marca para as 5 mil unidades anuais. No ano passado, a Rolls Royce vendeu 3362 automóveis.

“O nome Cullinan assenta que nem uma luva a este nosso extraordinário novo produto”, referiu o CEO da Rolls Royce, Torsten Mueller-Oetvoes, referindo-se à sua origem no mundo dos diamantes.

Porquê Cullinan?

O diamante Cullinan foi descoberto a 26 de janeiro de 1905 por Frederick Wells, gerente da mina Premier, na África do Sul. È o maior diamante jamais encontrado e pesava cerca de 3.106 quilates (aproximadamente 621 gramas). Recebeu esse nome em homenagem a Thomas Cullinan, dono da mina.

A pedra foi vendida para o governo da então província do Transvaal que a deu de presente ao rei Eduardo VII. A lapidação da pedra coube à companhia Asscher de Amsterdão que posteriormente a dividiu em onze grandes gemas e outros fragmentos.

A maior gema é chamada de Cullinan I ou Grande Estrela da África, e possuí 530.2 quilates (106.04 g). Foi o maior diamante lapidado do mundo até 1985 quando foi descoberto o diamante Jubileu Dourado extraído também da mina Prime.

O Cullinan I foi montado num cetro e a segunda maior gema, Cullinan II ou Pequena Estrela da África, com 317.4 quilates (63.48 g), o terceiro maior diamante lapidado do mundo, foi colocado na coroa imperial britânica. Ambas as gemas estão expostas na Torre de Londres e fazem parte das joias da coroa britânica.

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Quantas faltas justificadas pode dar no trabalho?
Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players