Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

SEAT aposta na gama GNC em Portugal

A SEAT continua a liderar a implementação de tecnologia de gás natural comprimido (GNC), disponibilizando uma gama alargada de oferta de modelos que são mais sustentáveis e garantem maior eficiência.

A gama da marca inclui o Ibiza TGI, Arona TGI e Leon TGI (5 portas e ST), o que significa que há um modelo com propulsão GNC à medida de cada gosto e de cada estilo de vida, retirando vantagem do rápido crescimento da rede de abastecimento de GNC na Europa, juntamente com as mais relevantes vantagens da Mobilidade a Gás Natural, que são a sustentabilidade e o baixo custo por quilómetro.

Todos os veículos foram desenhados e concebidos no fábrica da SEAT, em Martorell, assumindo-se como mais um passo no programa de desenvolvimento da empresa, evidenciando os benefícios de usar GNC como combustível primário, um combustível com menor impacto no ambiente mas sem diminuição no prazer de condução.

Em Portugal, são atribuídos diversos benefícios fiscais tanto para particulares como para empresas. Existe uma redução na Tributação Autónoma para 7,5%, 15% e 27,5% em cada um dos três escalões, em vez de 10%, 27,5% e 35% nos modelos a gasóleo. Também o Imposto Sobre Veículos (ISV) é reduzido para 40%, e às empresas é ainda permitida a dedução de 50% do IVA pago na aquisição destas viaturas até 37.500 euros. Além disso, existe ainda uma dedução de 50% do IVA destes combustíveis.

Um veículo a GNC tem menos 25% de emissões de CO2 face a um automóvel a gasolina equivalente. Quanto aos benefícios ecológicos e fiscais, a tecnologia permite custos excecionais por quilómetro, até 50% mais baratos do que o equivalente num modelo a gasolina e 30% menos do que num diesel. E com as melhorias que a SEAT introduziu na tecnologia, é agora possível fazer mais quilómetros sem reabastecer.

A maior novidade prende-se com a introdução do terceiro depósito de GNC. No caso do Ibiza e do Arona, a autonomia em modo GNC chega agora aos 360km (de acordo com medições WLTP), enquanto o Leon consegue alcançar os 440km (de acordo com medições WLTP). Esta nova configuração corresponde às exigências dos clientes TGI, que pediam uma maior autonomia em modo GNC.

Com a tecnologia de GNC, a SEAT tem a vantagem de conseguir oferecer aos clientes uma alternativa verdadeira que é, simultaneamente, eficiente e moderna, num veículo com um preço virtualmente igual ao de um veículo equivalente Diesel. Mais: os custos de manutenção de um modelo TGI são semelhantes aos de um modelo com motor de combustão convencional. Isto significa que estes veículos são mais limpos e com um melhor value for money, garantindo principalmente a melhor eficiência do GNC face aos outros combustíveis.

A SEAT está também a apoiar o desenvolvimento e disponibilidade do bio metano renovável, que neutraliza as emissões de CO2 geradas com a utilização do veículo. Somente um veículo 100% elétrico carregado com eletricidade oriunda de fontes 100% renováveis consegue oferecer uma melhor relação.

Maior autonomia GNC

A decisão da SEAT em aumentar a autonomia em modo GNC em detrimento da autonomia a gasolina decorre da procura dos clientes que já utilizam GNC: os condutores escolhem sistematicamente usar o GNC uma vez que percebem ter uma melhor sustentabilidade, consideráveis poupanças de combustível, e já sabem onde estão os pontos de abastecimento nas suas rotas diárias.

O Ibiza TGI e o Arona TGI usam depósitos fabricados em aço de elevada resistência, enquanto o SEAT Leon 1.5 TGI EVO é equipado com um conjunto de um depósito em aço de elevada resistência, mais pequeno e colocado à frente do eixo traseiro, e de dois novos depósitos maiores, localizados atrás do eixo traseiro e fabricados num composto de fibra de carbono, o que significa maior redução de peso e otimização na distribuição de massas.

E quando o Ibiza, Arona e Leon usam o gás natural como combustível principal, no caso da temperatura exterior descer abaixo de -10°C o motor arrancará a gasolina enquanto os injetores de gás são aquecidos à temperatura ideal antes de ser ativado o circuito de GNC. A troca acontece automaticamente, sem que o condutor se aperceba de qualquer diferença na performance do veículo ou na sua dinâmica, sendo capaz de corresponder a todas as exigências.

Em condições normais de condução, os veículos SEAT GNC apenas recorrem à gasolina, como combustível alternativo, no caso dos depósitos de GNC ficarem vazios, ainda que com o considerável alcance garantido pelo gás, a necessidade de recorrer à gasolina seja pouco frequente. E ainda que seja necessário recorrer ao depósito de gasolina, a troca será tão suave que dificilmente será notada pelo condutor.

O SEAT Leon é fabricado sobre a plataforma MQB-A (Modularer Querbaukasten), e tanto o Ibiza como o Arona usam a base tecnológica MQB-A0. Estas plataformas garantem grande flexibilidade de produção e uma implementação mais robusta, bem como uma carroçaria muito leve e segura com uma enorme resistência e rigidez estrutural. Todas as versões TGI cumprem as mais restritas normas de segurança.

O Ibiza, o Arona e o Leon são produzidos na fábrica da SEAT em Martorell, em Espanha. Cada modelo é montado na mesma linha dos outros veículos da linha SEAT, mas cada um foi adaptado para as exigências inerentes ao uso do GNC como combustível principal.

Os veículos GNC integram três depósitos de GNC (Ibiza, Arona e Leon TGI), um bocal de enchimento atrás da portinhola de reabastecimento de gasolina, sensores de pressão de gás e um regulador eletrónico de dois patamares que controla efetivamente a alimentação do gás ao motor GNC, resultando num conjunto de componentes substancialmente modificados e com muitas peças específicas, essenciais para uma operacionalidade excecional tanto nos modos de funcionamento com gás ou gasolina, havendo ainda elementos especialmente adaptados às características da combustão de gás natural (êmbolos reforçados e segmentos otimizados, aros de rolamentos reforçados, veio de excêntricos adaptados, guias e sedes de válvulas em material reforçado, válvulas de escape com tratamento a nitrogénio, sonda lambda e conversor catalítico otimizados para conversão a metanol, etc.).

Embora o GNC seja armazenado a elevadas pressões (aproximadamente 200bar), os depósitos estão construídos e homologados para resistirem a mais do dobro da pressão de trabalho. Os tubos de alta pressão são em aço inoxidável com válvulas eletrónicas de segurança que isolam cada secção do circuito de elevada pressão. Os próprios depósitos estão equipados com fusíveis térmicos que abrem no caso de uma improvável situação de calor extremo de forma a libertar o gás que é assim libertado de forma segura.

  • SEAT Arona TGI

É o primeiro SUV do mundo a usar tecnologia GNC e entra no segmento com maior crescimento na Europa. Com três depósitos de GNC, que somam uma capacidade total de 13.8 kg, consegue alcançar uma autonomia de 360 km em modo GNC (medição WLTP). O depósito adicional de 9 litros de gasolina acrescenta 150 km, perfazendo uma autonomia total de 510 km.

O novo SEAT Arona TGI fica disponível em todas as versões de equipamento – Reference, Style, Xcellence e FR – recebendo o 1.0 TGI um motor de três cilindros com 12 válvulas, capaz de entregar 90CV entre as 4,000rpm e as 5,500rpm, com um binário máximo de 160Nm entre as 1,800rpm e as 3,800rpm. Este motor surge associado a uma caixa manual de seis velocidades para melhorar a sua eficiência e oferecer a mais suave das conduções. Alcançando uma velocidade máxima de 172km/h, o Arona TGI completa a aceleração de 0 a 100km/h em 13.2 segundos.

O Arona TGI é um veículo marcante com um ar distinto de crossover. Oferece um leque alargado de opções para corresponder às necessidades de cada condutor, incluindo 68 combinações de cores. A altura da carroçaria ao solo é de 190mm; inclui 282 litros de espaço para a bagagem, e mede 4,138mm de comprimento, 1,780 de largura e 1,552mm de altura.

Em termos de segurança ativa, passiva e preventiva, o SEAT Arona TGI marca um ponto de viragem no segmento. Oferece sistemas de ajuda à condução como o ‘Front Assist’ para condução citadina com reconhecimento de peões, ‘Hill Hold Control’, luzes full LED, reconhecimento de cansaço, sensores de chuva e de luz e sistema de travagem multicolisão, enquanto os extras incluem alerta de tráfico traseiro – para recuar do espaço de estacionamento em segurança – deteção de ângulo morto ou assistente de estacionamento ‘Park Assist’ – que funciona tanto no estacionamento paralelo como em marcha-atrás a 90 graus.

No que diz respeito a conectividade e tecnologia, a SEAT é reconhecida pelos seus sistemas de infotainment, e o Arona foi equipado com o mesmo sofisticado sistema disponível em toda a gama SEAT. A tecnologia disponível inclui entrada e arranque sem chave (keyless), câmara traseira, ecrã tátil a cores de 8” e carregador sem fios com amplificador de sinal GSM. O sistema de infotainment Full Link garante que o SUV esteja completamente conectado, sincronizando o telefone com automóvel através do Apple CarPlay ou Android Auto. Inclui todas as últimas apps como o Shazam – que reconhece automaticamente as músicas favoritas com o toque de um botão; e o assistente de voz Alexa da Amazon, que permite ao condutor otimizar o seu tempo ao volante, ajudando a realizar tarefas como a gestão da agenda pessoal, escolha de música, programação do sistema de navegação com pontos de interesse, notícias personalizadas, ou para procurar o concessionário SEAT mais próximo. A app Alexa da Amazon não só oferece mais funções no automóvel, como simplifica o acesso às funções que o condutor mais utiliza, evitando distrações.

  • SEAT Ibiza TGI

A gama Ibiza volta a receber a versão GNC, desta vez com um depósito extra de gás, tendo um total de três. Com uma capacidade global de 13.8 kg, que permite um alcance de 360 km (baseado no WLTP) em modo a gás e com um depósito de 9 litros de gasolina que assegura uns adicionais 150 km, a autonomia total do Ibiza TGI chega aos 510km.

O SEAT Ibiza TGI está disponível com todos os níveis de equipamento, recebendo o mesmo 1.0 TGI montado no Arona associado à caixa manual de seis velocidades. Debitando um máximo de 90CV entre as 4,000rpm e as 5,500rpm, o seu binário máximo de 160Nm está disponível entre as 1,800-3,800rpm. Em termos de performance, isto traduz-se em 180km/h de velocidade máxima e em 12.1 segundos na aceleração do arranque parado até 100km/h.

O exterior do Ibiza TGI mede 4,059mm de comprimento, 1,780mm de largura e 1,444mm de altura, com uma distância entre eixos de 2,564mm. No entanto, tal como o Arona, o habitáculo resulta espaçoso. À frente beneficia de um total de 1,425mm de largura e 1,022mm na altura com os bancos regulados na posição baixa em relação ao teto. De forma semelhante, atrás, os bancos oferecem 1,403mm de largura, uma altura máxima de 957mm, bem como um generoso espaço para as pernas. A bagageira do Ibiza TGI tem 262 litros.

Algum do equipamento instalado de série no Ibiza TGI compreende o assistente de travagem em cidade Front Assist, cruise control, reconhecimento de cansaço, conectividade Full Link, entrada e arranque sem chave (Keyless), faróis full LED, e sistema de navegação com ecrã tátil de 8” que engloba a mais evoluída tecnologia como o sistema Alexa da Amazon e a app Shazam.

  • SEAT Leon 1.5 TGI EVO

O modelo compacto mais eficiente da SEAT foi melhorado de forma a oferecer 130CV de potência face aos 110CV da versão anterior. Agora está também disponível em Xcellence e FR – além do nível Style – nas variantes de cinco portas e ST e com a escolha de uma caixa de seis velocidades manual ou automática DSG de sete velocidades.

O novo SEAT Leon 1.5 TGI EVO beneficia de um terceiro tanque em aço reforçado para GNC, em acréscimo aos dois novos depósitos num composto de fibra de carbono colocados no fundo da bagageira.

Os três depósitos têm uma capacidade total de 17.3kg, garantindo ao Leon TGI um alcance de 440 km (com base no WLTP), tanto com caixa manual como com DSG, em modo GNC. Em acréscimo, tem também um depósito de 9 litros de gasolina, que acrescenta uns adicionais 140 km à autonomia. No total, o Leon tem um alcance de 580 km antes de precisar de ser reabastecido, tanto com caixa manual como com DSG.

O novo motor 1.5 TGI EVO é um quatro cilindros com quatro válvulas por cilindro e 1,498cc de capacidade. Utiliza um turbo de geometria variável e combustão de ciclo Miller para um processo mais eficiente e com melhor performance. O motor entrega 130CV entre as 5,000rpm e as 6,000rpm e um máximo de 200Nm de binário entre as 1,400rpm e as 4,000rpm.

A performance do novo motor 1.5 TGI EVO traz uma significativa melhoria em relação ao anterior 1.4 TGI de 110CV, registando um novo recorde de velocidade máxima de 206km/h e a aceleração melhorou em quase um segundo em relação às anteriores versões e tipos de transmissão: agora pode alcançar os 100km/h em apenas 9.9 segundos.

Nas dimensões exteriores, tem um total de 4,282mm em comprimento, 1,816mm de largura e 1,459mm em altura, enquanto a versão ST mede 4,549mm, 1,816mm e 1,454mm, respetivamente, com uma distância entre eixos de 2,636mm em ambas as carroçarias, e uma bagageira de 275 litros na carroçaria e cinco portas e de 482 litros na carrinha ST.

O Leon TGI inclui um vasto leque de equipamento de segurança e conforto, incluindo Cruise Control Adaptativo  (ACC), travagem automática de emergência Front Assist com detetor de peões, assistente de tráfego lento, manutenção de faixa, assistente de Máximos e Reconhecimento de Cansaço. Também tem câmara traseira, carregador de telemóvel sem fios com amplificador de sinal GSM, sistema de infotainment ‘Full Link’ para ligação a telefones via Android Auto ou Apple Car Play, apps como a do assistente pessoal Alexa da Amazon, e reconhecimento de músicas na app Shazam. O sistema Navi System Plus permite ligar os dispositivos dos passageiros ao sistema de infotainment via WLAN.

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
As japonesas não podem usar óculos no trabalho. Imagina porquê?
Marketeer
Vegetariano não chega. McDonald’s vai mais longe e lança opção vegan