Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Uma dinâmica mesa redonda sobre “Mobilidade e Conectividade – Mitos ou Realidade?”

Foi talvez um dos momentos mais marcantes da 2ª Conferência AUTOMONITOR. A mesa redonda com o tema principal da conferência juntou seis convidados de diferentes meios para trocar ideias sobre um tema comum.

A mesa redonda, com o tema “Mobilidade e conectividade – mitos e realidade”, contou com a presença de Duarte Guedes, CEO da Hertz Portugal, Ivan Sousa, Head of Product Management da Mobilidade Elétrica da Efacec, Mário Sousa, diretor de Produto e Pré-venda da PT Empresas, Miguel Rebelo de Sousa, Senior manager da Novabase, Ricardo Tomaz, diretor de Marketing Estratégico e Relações Externas da SIVA, e Sérgio Carvalho, diretor de Marketing da Fidelidade, com moderação de Ricardo Florêncio, CEO da Multipublicações Media Group.

Ricardo Tomaz, diretor de Marketing Estratégico e Relações Externas da SIVA, afirma que «não foram os consumidores que pediram o carro elétrico, há uma série de obrigações políticas para reduzir o número de emissões. As normas que o sector vai ser obrigado a cumprir são de tal forma drásticas que quem não o fizer vai ter de pagar uma multa de 95 euros por cada grama de CO2 que cada carro novo vendido emite. O carro elétrico é uma necessidade da indústria para cumprir normas. Mas o diesel ainda tem margem para evoluir. Este é um momento de grande mudança da indústria».

Para Duarte Guedes, CEO da Hertz Portugal, aquilo que a empresa faz é «dar mobilidade aos turistas no país. O sector de aluguer de automóveis tem de acompanhar a evolução em termos tecnológicos e encontrar a sua posição. Um mundo que transita da propriedade para a partilha é bom para o sector. Os vários modelos de transportes têm de coexistir». 

Sérgio Carvalho, diretor de Marketing da Fidelidade, adianta que «esta realidade vai mudar radicalmente para o sector segurador. A eletrificação também traz grandes desafios, na prestação da assistência. Uma das dificuldades é que do ponto de vista do custo para a seguradora os custos são francamente maiores. Mas o consumidor vai ditar o caminho. No entanto, com a conectividade surgem novas oportunidades na experiência com o cliente. Temos de ir ao encontro das expectativas dos clientes. Mas a realidade é que o cliente vai querer ter uma solução única para abranger os vários tipos de transporte que vai utilizar, como o carro partilhado, a trotinete, o seu próprio seguro. O sector dos seguros é muito legislado, pelo que o regulador europeu terá um papel importante nesta mudança».

Mário Sousa, diretor de Produto e Pré-venda da PT Empresas, indica que «o 5G vai ser uma tecnologia disruptiva e vai criar oportunidades e alavancar soluções que hoje não seriam possíveis, tanto em termos de velocidade, mas essencialmente ao nível da latência que é muito menor».

Miguel Rebelo de Sousa, Senior Manager Novabase, refere que o grupo está a «trabalhar na mobilidade há vários anos. O salto agora é para implementar uma plataforma que disponibilize informação a cada pessoa para tomar a melhor decisão».

De acordo com Ivan Sousa, Head of Product Management da Mobilidade Elétrica da Efacec, “a Efacec está a desenvolver uma nova geração de produtos que vai ajudar a ultrapassar os medos dos utilizadores finais nos carregamentos de veículos elétricos”.

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
As japonesas não podem usar óculos no trabalho. Imagina porquê?
Marketeer
Vegetariano não chega. McDonald’s vai mais longe e lança opção vegan