Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Os grandes clássicos da 7.ª Arte

As produções cinematográficas são pródigas no incremento de notoriedade de vários automóveis, tendo lançado para a ribalta diversos modelos ao longo das décadas.

Afinal, um pouco como no mundo da competição, em que a velha máxima ‘vencer ao domingo, vender à segunda-feira’ ainda se aplica, no mundo do cinema e da televisão, a exposição comercial acaba por ser uma mais-valia para as diversas marcas que vêem os seus modelos colocados no grande ou pequeno ecrã.

Paul Nigh’s ‘TeamTimeCar.com’ Back to the Future DeLorean Time Machine

Eis alguns exemplos de automóveis que, imortalizados pela sua presença na televisão ou cinema, ganharam notoriedade impressionante, sendo ainda hoje recordados de forma natural por diversas pessoas.

KITT

Knight Industries Two Thousand. Assim dito pode não querer dizer grande coisa, mas se aplicarmos o diminutivo KITT as possibilidades de reconhecer o automóvel em questão aumentam exponencialmente. Este Pontiac Trans Am de 1982 era o companheiro de Michael Knight, um justiceiro que, ao serviço da Fundação para a Lei e Governo, ajudava os mais fracos.

KITT serviu como um ícone para uma geração de espectadores que seguiam as aventuras de David Hasselhoff e do seu automóvel autónomo capaz de falar e de fazer as mais mirabolantes acrobacias. No final de contas, KITT já antevia o advento da condução autónoma e o estacionamento a partir de um relógio.

Herbie

Se o KITT era um prodígio da tecnologia, Herbie era algo mais clássico mas dotado de muita personalidade. O Volkswagen Carocha de 1963 também contava com a capacidade de se conduzir sozinho e possuía vontade própria, destacando-se pela cor branca em combinação com as riscas de competição vermelhas e azuis e pelo número 53. As suas aventuras ajudaram o Beetle (ou Käfer, em alemão) a ganhar notoriedade, sendo ainda hoje facilmente reconhecido pelas suas façanhas.

DeLorean DMC-12

A ideia de converter um automóvel numa máquina do tempo pode parece absurda, mas no cinema funcionou às ‘mil maravilhas’. O DeLorean DMC-12 foi o veículo escolhido para a saga Regresso ao Futuro, com a qual Marty McFly (Michael J. Fox) e ‘Doc’ Emmett Brown (Christopher Lloyd) cruzaram diferentes espectros temporais.

Longe dos ecrãs, no entanto, o DeLorean DMC-12 foi um automóvel criado pela marca norte-americana DeLorean Motor Company, de John DeLorean, com linhas aerodinâmicas e portas com abertura ao estilo ‘asas de gaivota’. Embora transformado em modelo de culto, o DeLorean não trouxe sucesso à marca, já que envolta num estranho e pouco claro processo de insolvência, acabou por falir em 1983. Há até quem ligue o desaire financeiro da DeLoren ao desaparecimento de Colin Chapman, alimentando o rumor de que o criador da Lotus teve de forjar a sua morte… Tudo o que se sabe é que isso não passa de um rumor.

Aston Martin DB5

A saga do espião mais famoso do mundo, James Bond, o agente 007, é profícua em modelos notórios. Um dos primeiros a merecer destaque mais amplo foi o Aston Martin DB5, que graças aos efeitos especiais de John Stears foi transformado num multifacetado veículo de acção.

Este DB5 tão especial foi utilizado nos filmes Goldfinger (1964) e Operação Relâmpago (1965), aparecendo depois noutros filmes posteriores, mas sem grande relevância para o enredo. Conhecendo grande sucesso devido à sua presença em filmes, o Aston Marton DB5 do filme estava munido das mais variadas armas e engenhos à imagem do próprio espião.

Shelby Mustang GT500

O filme 60 Segundos, no original Gone in 60 Seconds, contou com um remake em 2000, protagonizado por Nicolas Cage. Nesse, o herói recém-libertado do mundo do crime vê-se na obrigação de roubar 50 automóveis desportivos ou exóticos para libertar o seu irmão mais novo da ameaça de um líder mafioso. Contudo, o plano não corre bem e no final um pequeno atraso gera muitos problemas para ‘Memphis’ Raines, o personagem de Cage. Tudo porque a sua relação com um lendário Mustang GT500 – ou Eleanor – é conflituosa…

The Homer

O ‘The Homer’ não é um modelo real mas merece o seu destaque. Foi desenhado por Homer Simpson quando o seu meio-irmão Herb lhe ofereceu emprego na Powell Motors, que liderava. O objectivo era que Homer Simpson conseguisse recuperar as vendas da empresa ao lançar um modelo inovador e diferente, indo ao encontro dos desejos dos americanos.

Contudo, o “designer” não só não correspondeu às expectativas de todos como criou ainda um carro desajeitado com um custo de produção muito elevado que levou o fabricante à falência. Para muitos, o ‘The Homer’ representa uma analogia ao desastroso modelo Edsel da Ford Motor Company.

Toyota Supra

O seu leilão tornou-se viral na Internet. O famoso Toyota Supra cor de laranja associado a Paul Walker no primeiro filme da saga Velocidade Furiosa esteve à venda e arrecadou 166 mil euros. Este ícone foi apenas utilizado para filmagens estáticas, mas a aura em redor do seu ‘proprietário’ na película tornou-o numa peça de coleccionador. Sob o capot, este automóvel está equipado com um motor 3.0 2JZ-GTE de 223 CV, sendo que as garrafas de nitro que aparecem no filme não estão ligadas e, por isso, não funcionam.

OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
As japonesas não podem usar óculos no trabalho. Imagina porquê?
Marketeer
Vegetariano não chega. McDonald’s vai mais longe e lança opção vegan