Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

#Ensaio – Citroën C5 AirCross BlueHDi 130 – Fusão de conceitos

A fusão de diversos conceitos é uma das tendências mais habituais do mercado atualmente, mas no caso do Citroën C5 AirCross foi muito bem conseguida e até nos conseguiu surpreender pela positiva.

Um familiar que é um SUV, uma carrinha que quer ser um todo o terreno e um SUV que passa a ser descapotável são apenas algumas das soluções que temos vindo a descobrir nos últimos tempos. Mas no caso do Citroën C5 AirCross há mais do que uma única ideia neste contexto.

O novo modelo da marca francesa junta um familiar bastante espaçoso e com a versatilidade de alguns monovolumes a uma imagem de um SUV de suspensão mais elevada e proteções na carroçaria, que também conta com uma posição de condução mais elevada e com um formato de carroçaria que chega a fazer inveja a alguns modelos comerciais na altura de rebater os assentos e ocupar todo o espaço disponível no habitáculo. E a verdade, é que gostámos bastante desta combinação.

O novo Citroën C5 AirCross parece preparado para tudo e mais alguma coisa, desde que o começamos a carregar com toda a tralha do dia-a-dia logo de manhã, incluindo mochilas, sacos de desporto, lancheiras, casacos e tudo aquilo que nos deixa a pensar se estamos a mudar de casa ou apenas a iniciar mais um dia. Mas depois de tudo arrumado e pronto para arrancar, é bom ver que ninguém está apertado nem com falta de espaço. O teto de abrir panorâmico oferece uma excelente iluminação a todo o habitáculo e a bagageira conta com uma capacidade incrível de 580 litros na sua configuração mais acanhada, mas que consegue chegar aos 720 litros se usarmos o espaço existente sob o piso.

A imagem que encontramos a bordo é a melhor oferta do contexto atual da Citroën, com uma imagem moderna e sofisticada, assentos confortáveis e com o amplo espaço disponível a influenciar pela positiva a imagem que temos sobre este modelo. Ao volante, a posição de condução é correta e o desenho do painel de instrumentos, totalmente digital, oferece um visual sofisticado e que pode ser personalizado e mostrar diversas informações, sejam as do computador de bordo, ou o mapa da navegação, entre diversas outras.

O desenho do velocímetro é inspirado nos modelos mais clássicos da marca, com uma faixa que desliza por uma agulha vermelha, e que nos indica a velocidade a que circulamos. É apenas um detalhe, mas é um dos cativantes, ainda que na maior parte dos casos, a informação da velocidade a que estamos a circular é a que está mais em destaque na instrumentação, com os algarismos principais colocados ao centro de todo o conjunto, e até acabamos por nem reparar nesta tal agulha vermelha.

A consola central tem uma largura superior ao habitual e que não rouba muito espaço para as pernas, mas passa a oferecer uma boa quantidade de espaços de arrumação e até uma zona onde podemos carregar o telemóvel sem fios. No tablier, e numa posição central, o monitor tátil ganha o maior destaque, podendo-nos mostrar o mapa da navegação e diversas outras informações e configurações do C5 AirCross. A zona imediatamente abaixo deste monitor conta com um conjunto de comandos táteis, para aceder diretamente a funções como o leitor de música e rádio, o ar condicionado automático, a navegação, as aplicações ou o telefone.

Apesar de tudo isto, não nos podemos esquecer que uma das principais novidades deste modelo é a nova motorização de 1,5 litros do Grupo PSA. Pertence à família BlueHDI de motores diesel e conta com uma potência máxima de 130 cavalos e um binário de 300 Nm. Quando aliado à caixa de velocidades automática de oito relações, como na unidade ensaiada, conta com algumas hesitações nos momentos em que estamos a manobrar o C5 AirCross num parque de estacionamento ou numa garagem, mas de resto, não há grandes críticas a fazer a esta opção.

Os mais sedentos de prestações vão preferir a versão mais potente e com mais capacidade, mas a verdade é que este BlueHDi de 1,5 litros e 130 cavalos chega muito bem para todos os momentos do dia-a-dia e também para as viagens mais longas das férias e do fim de semana, com a vantagem de não ser nada complicado conseguir obter médias de consumo em torno dos seis litros com toda a gente a bordo. O modo Sport acaba por ser uma espécie de bebida energética para o motor e transmissão, mas acabámos por não o usar na maior do tempo e deixar apenas que o sistema decidisse qual a melhor altura para efetuar as passagens de caixa.

Em termos de preços, se considerarmos a versão Shine, a mais equipada, o valor referente à motorização 1.5 BlueHDi com caixa automática é de 37.397 euros. Mas a unidade ensaiada, com alguns extras adicionados a este valor, ainda conseguiu ficar com um valor final abaixo da fasquia dos 40 mil euros.

VEREDICTO

O C5 AirCross é um daqueles modelos que dá bastante jeito lá em casa, principalmente quando há miúdos para ocupar os lugares traseiros na maioria das deslocações. O espaço disponível é bastante amplo e o motor diesel de 1,5 litros é suficiente para as encomendas. O único contra é o facto de o preço ficar um pouco mais acima do que o desejado, mas o nível de equipamento Shine é bastante completo e acaba por compensar um pouco este ponto.

FICHA TÉCNICA

Citroën C5 AirCross Shine BlueHDi 130 EAT8

MOTOR: 4 cilindros em linha; injeção direta com turbo; Cilindrada (cm3): 1.499; Potência máxima (cv/rpm): 131/3.750; Binário máximo (Nm/rpm): 300/1.750; TRANSMISSÃO: Tração dianteira; Caixa automática de oito velocidades; Suspensão (fr./tr.): Independente, tipo McPherson; Independente, multibraços; DIMENSÕES: Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.500/1.840/1.654; Distância entre eixos (mm): 2.730; Largura de vias (fr./tr.) (mm): 1.601/1.630; Travões (fr./tr.) Discos ventilados/Discos sólidos; Peso (kg): 1.505; Capacidade da bagageira (l): 580; Depósito de combustível (l): 53; Pneus (fr./tr.): 205/55 R19; PRESTAÇÕES: Aceleração de 0-100 km/h (s) 10,6; velocidade máxima (km/h) 189; CONSUMOS (WLTP): Combinado/Velocidade baixa/média/alta/muito alta (l/100 km): 5,3/6,1/5,0/4,5/5,8; Emissões de CO2 (g/km) 138;

PREÇO (versão base): 37.397 euros
PREÇO (unidade ensaiada): 39.910 euros

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Marketeer
4 tendências de Marketing Digital para 2020