Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

#Ensaio – Lexus UX 250h – Luxo em formato compacto

Todas as marcas gostam de nos mostrar a sua polivalência, mas com o UX, a Lexus prova que o luxo não está reservado aos automóveis de grande porte.

Quando pensamos na Lexus imaginamos de imediato um modelo de tamanho generoso e com um patamar de luxo e qualidade como poucos modelos conseguem oferecer. Lembramo-nos de componentes como a grelha dianteira, que demoraram horas a desenhar e a conceber, dos artesãos da marca que são escolhidos especificamente pela sua experiência e também nos lembramos da paixão que esta marca nipónica tem por desenvolver soluções que apenas se destinam a melhorar a experiência de utilização de cada um dos seus modelos.

Bem, com o novo Lexus UX, o único ponto que falha nisto tudo é mesmo a parte do tamanho generoso. É que este passa agora a ser o SUV de tamanho mais compacto da Lexus – ou crossover, como a marca lhe gosta de chamar – destinado aos ambientes mais urbanos e a quem não gosta de andar com um automóvel enorme no seu dia-a-dia, mas que não dispensa um patamar muito peculiar de luxo e conforto.

É principalmente por causa disto que ainda antes de sequer tocarmos no carro, ele deteta a presença da chave e ativa as luzes de presença, para que o seu utilizador se sinta bem recebido. E depois de nos sentarmos ao volante, o som que a porta faz a bater também tem muito que se lhe diga. Afinal, este mesmo bater de porta foi estudado numa sala fechada e à prova de som, com o objetivo de ser o menos incomodativo possível, juntando-se assim a um imenso conjunto de detalhes que fazem a diferença quando andamos num Lexus, independentemente do segmento ou categoria em que se inserem. Além do facto de este UX acender as luzes de presença assim que nos aproximamos dele, tal como já referimos, há ainda o detalhe das janelas abrandarem o seu movimento de fecho e abertura, assim que este se aproxima do seu limite. Todas estas ideias (e muitas outras) fazem parte do conceito Omotenashi, ou a arte de bem receber, que a Lexus inclui em todos os seus modelos.

Mas voltando ao UX. O crossover da Lexus consegue manter a imagem de família dos outros modelos da marca, com a tradicional grelha dianteira de grandes dimensões, que é ainda mais evidente nesta versão F-Sport. Os vincos na carroçaria são uma constante e os detalhes de moldagem de painéis e os das óticas dianteiras e traseiras conferem-lhe um visual futurista que não passa indiferente e que é funcional, uma vez que consegue reduzir o ruído e melhorar a aerodinâmica. E na secção traseira, a Lexus estreia uma nova solução de iluminação, com uma enorme faixa de LED composta por 120 pontos de iluminação, que se prolonga entre as duas extremidades da secção traseira do UX, deixando-o com um visual único.

A bordo, há mais espaço disponível do que o que poderíamos prever inicialmente, tanto nos lugares da frente como nos traseiros, ainda que se trate de um crossover compacto. E o nível de conforto, como esperado, é bastante elevado mesmo com a presença das jantes de liga leve com 18 polegadas de diâmetro. A suspensão instalada nesta versão F-Sport tem um amortecimento variável adaptável, com 650 níveis de força de amortecimento, o que é bem capaz de dar uma ajuda neste tema do conforto, mas também na firmeza mais elevada quando conduzimos com o modo Sport ativo e tentamos desafiar a física, empurrando o UX de uma curva para a outra.

A posição de condução é correta e os assentos desportivos da versão F-Sport conferem um bom apoio. E mesmo à nossa frente, o painel de instrumentos é totalmente digital e conta com uma área móvel, que lhe altera o visual se assim o desejarmos, passando, por exemplo, o conta-rotações para uma posição central quando ativamos o modo de condução Sport, o mais desportivo. Se preferirmos, podemos fazer este deslizar para o lado direito, com o objetivo de deixar livre uma zona de ecrã mais ampla, na qual podemos visualizar em tempo real para onde se está a deslocar a energia do sistema híbrido.

Neste ponto não há grandes surpresas do ponto de vista do utilizador. O sistema híbrido da Lexus foi desenvolvido quase à prova de críticas, mas se tivermos mesmo de o fazer, será a caixa de variação continua que vai surgir de imediato no meio da conversa, ao deixar que as rotações subam para patamares menos confortáveis ao ouvido se, por exemplo, nos quisermos “despachar” numa subida de autoestrada, algo que, apesar de tudo, um sistema híbrido não espera enfrentar muitas vezes. Em cidade, por outro lado, não há críticas a fazer. O sistema aproveita todo e qualquer momento para dispensar os préstimos do motor de combustão e regenerar energia, o que ajuda a conseguir médias de consumo em torno dos cinco litros sem grande esforço ou mesmo abaixo deste valor se nos concentrarmos mais na condução.

Finalmente, o preço, sendo que estamos a falar de um crossover. É um formato que está bastante na moda, e que não consegue esconder de forma alguma o facto de pertencer a um ambiente mais premium. Ainda assim, já é possível adquirir um Lexus UX por 42.500 euros. Só mesmo se desejar a versão F-Sport com uma dose de equipamento mais generosa e com um visual mais desportivo, tal como a unidade ensaiada, é que o investimento já vai ficar um pouco acima dos 50 mil euros. Em compensação, o seu equipamento de série já é tão completo que à unidade ensaiada apenas foi necessário adicionar o valor da pintura metalizada.

VEREDICTO

O crossover compacto da Lexus é um digno representante da marca nesta categoria, ao incluir um completo e eficiente sistema híbrido, mas também o ambiente mais luxuoso que já conhecemos dos modelos de entrada da marca nipónica. Com o nível de equipamento F-Sport, tanto o visual exterior como o ambiente a bordo recebem uma imagem mais desportiva.

FICHA TÉCNICA

Lexus UX 250h F-Sport

MOTOR: 4 cilindros em linha; injeção direta; Cilindrada (cm3): 1.987; Potência máxima (cv/rpm): 152/6.000; Binário máximo (Nm/rpm): 190/4.400-5.200; Potência máxima combinada do sistema híbrido (cv): 184; TRANSMISSÃO: Tração dianteira; Caixa automática de variação contínua (CVT) com comando eletrónico; Suspensão (fr./tr.): Independente, tipo McPherson; Independente, com braço duplo triangular; DIMENSÕES: Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.495/1.840/1.540; Distância entre eixos (mm): 2.640; Largura de vias (fr./tr.) (mm): 1.550/1.550; Travões (fr./tr.) Discos ventilados/Discos sólidos; Peso (kg): 1.540; Capacidade da bagageira (l): 283; Depósito de combustível (l): 43; Pneus (fr./tr.): 225/50 R18; PRESTAÇÕES: Aceleração de 0-100 km/h (s) 8,5; velocidade máxima (km/h) 177; CONSUMOS: Urbano/Extra-urbano/Combinado (l/100 km): 3,9/4,4/4,1; Emissões de CO2 (g/km) 97;

PREÇO (versão base): 42.500 euros
PREÇO (versão F-Sport): 50.600 euros
PREÇO (unidade ensaiada): 51.682 euros

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Marketeer
4 tendências de Marketing Digital para 2020