Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

#Ensaio – Seat Arona 1.0 TGI – O gás natural como alternativa

Durante o evento Seat & Cupra On Tour foram diversos os modelos disponíveis para um momento de condução, mas o Arona TGI foi um dos que mais mereceu a nossa atenção.

Depois de termos ouvido a apresentação de Ramón Calderón durante a 2ª Conferência do AutoMonitor ficámos ainda com mais curiosidade em conhecer as versões TGI da marca espanhola, movidas a gás natural. Afinal, esta é uma das melhores alternativas ao automóvel elétrico que conhecemos nos últimos tempos, mais ainda quando a rede de abastecimento em solo nacional começa finalmente a dar sinais de vida. E agora, durante o evento SEAT & CUPRA On Tour, um dos modelos disponíveis para ensaio era o pequeno Seat Arona equipado com este mesmo sistema, pelo que passou diretamente para o topo da nossa lista de preferências.

Pelo exterior, apenas a sigla TGI identifica esta versão, porque de resto, trata-se de um Seat Arona semelhante a todos aqueles que estão equipados com o nível de equipamento FR de visual mais desportivo. Se formos um pouco mais curiosos, no entanto, descobrimos que a proteção inferior tem um formato ligeiramente diferente na zona mais atrás do Arona e que a parte de baixo do plano de carga do porta-bagagens tem um volume pouco habitual face aos restantes modelos da gama.

Isto deve-se ao facto de estarem presentes nesta mesma zona os depósitos de gás, responsáveis por alimentar o sistema e a motorização a gasolina de um litro, especialmente adaptada para esta função. O motor 1.0 TSI pode ser alimentado por gás ou por gasolina, mas esta última opção está destinada apenas para a eventualidade dos reservatórios de gás ficarem totalmente vazios e se torna necessário ter uma alternativa enquanto procuramos um posto de abastecimento de gás natural. Além disso, o depósito de combustível tem uma capacidade de apenas nove litros, demonstrando que esta opção é mesmo uma solução de recurso.

O motor do Seat Arona tem uma capacidade de um litro, tal como já referimos, uma configuração de três cilindros em linha e uma potência máxima em torno dos 90 cavalos. Segundo os dados da marca, consegue acelerar dos 0 aos 100 km/h em 11,4 segundos e alcançar os 175 km/h de velocidade máxima. Assim que premimos o botão start, com o objetivo de dar início ao motor, todo o procedimento é idêntico ao das versões a gasolina que já conhecemos. Mas depois, notamos rapidamente que tanto o computador de bordo existente no painel de instrumentos, como as informações existentes no monitor do sistema de infoentretenimento têm uma nova medida de kg/100 km além dos tradicionais L/100 km. E enquanto os valores declarados pela marca andam entre os 3,8 e os 4,2, nós registámos um valor de 5,3 kg/100 km numa estrada de traçado mais sinuoso e com algumas subidas, o que faz todo o sentido e nos deixa a pensar que não deve ser muito difícil registar os valores indicados pela Seat.

A resposta ao acelerador em diversos dos regimes é muito semelhante aos que sentimos num motor a gasolina de capacidade equivalente, pelo que nem notamos que se trata de um modelo alimentado por gás natural. Onde vamos notar certamente é nos valores finais quando fizermos as contas ao que gastámos no final do mês, uma vez que o custo deste tipo de combustível ainda é praticamente metade do que necessitamos num modelo equipado com um motor diesel, por exemplo. E em termos de autonomia, estamos a falar de um automóvel que consegue percorrer facilmente cerca de 500 quilómetros.

Quando desligamos o motor, e caso a janela ainda esteja aberta, somos capazes de ouvir uma válvula a abrir ou a fechar, como se fosse uma pressão de ar a ser libertada, sendo que esta é mesmo a única diferença no funcionamento deste modelo, face a uma convencional versão a gasolina.

A maior dificuldade na utilização deste sistema está mesmo na rede de abastecimento, que ainda está a ser implementada e está longe de chegar a um patamar desejado em termos de oferta. No entanto, segundo Ramón Calderón, que se encontra a acompanhar esta implementação, a nova diretiva europeia diz-nos que deverá existir um posto de abastecimento a cada 150 quilómetros, mas ainda há algumas zonas do nosso país em que isso ainda não acontece. Apesar disso, a rede está a crescer e para conhecer mais detalhes poderá ter esta página como exemplo.

Com o nível de equipamento FR, o mais completo da gama, o preço do Seat Arona 1.0 TGI ronda os 23.800 euros, mas a versão de acesso com esta mesma solução fica pouco acima dos 19 mil euros.

VEREDICTO

As soluções movidas a gás natural apresentadas pela SEAT são uma alternativa real ao mundo da eletrificação e é uma tecnologia pronta e totalmente segura, que apenas depende de uma maior rede de abastecimento. É um sistema instalado de fábrica, com as mesmas verificações de qualidade de todos os outros modelos da marca, uma vez que partilham a mesma linha de montagem, e representa uma alternativa que nos consegue efetivamente poupar algum dinheiro graças a médias de consumo comedidas e preços de abastecimento claramente abaixo das tradicionais soluções a gasolina e diesel. E tudo isto, num modelo de visual moderno, tal como o do pequeno Arona, perfeito para uma pequena família e para a sua rotina diária.

FICHA TÉCNICA

Seat Arona 1.0 TGI FR

MOTOR: 3 cilindros em linha, com injeção multiponto; Cilindrada (cm3): 999; Potência máxima (cv/rpm): 90/4.500-5.800; Binário máximo (Nm/rpm): 160/1.900-3.500; TRANSMISSÃO: Tração dianteira; Caixa manual de seis velocidades; Suspensão (fr./tr.): Independente, tipo McPherson; Eixo traseiro semirrígido; DIMENSÕES:Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.138/1.780/1.552; Distância entre eixos (mm): 2.566; Largura de vias (fr./tr.) (mm): 1.503/1.486; Travões (fr./tr.) Discos ventilados/Discos sólidos; Peso (kg): 1.308; Capacidade da bagageira (l): 282; Depósito de Gás Natural (kg/bar): 13,8/200; Depósito de gasolina (l): 9;  Pneus (fr./tr.): 215/45 R18; PRESTAÇÕES: Aceleração de 0-100 km/h (s) 13,2; velocidade máxima (km/h) 172; CONSUMOS:Urbano/Extraurbano/Combinado (kg/100km): n.d./n.d./3,8-4,2; Emissões de CO2 (g/km) 104-115;

PREÇO (versão base): 19.107 euros
PREÇO (versão FR): 23.807 euros
PREÇO (unidade ensaiada): 26.757 euros

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Marketeer
4 tendências de Marketing Digital para 2020