Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Afinal, quanto custa (mesmo) ter um elétrico?

As preocupações ambientais estão na base das mudanças de comportamentos que colocam cada vez mais elétricos nas estradas nacionais – mas além do Ambiente, existem razões económicas para adotar a mobilidade elétrica…

Os números não enganam: até junho deste ano, os elétricos já representavam um acumulado de vendas de 9,4% em Portugal. E as vendas de carros a gasolina superaram as vendas de veículos Diesel… algo que não acontecia há 15 anos!

Os automóveis elétricos são uma alternativa limpa, já que não usam combustíveis líquidos como o gasóleo ou a gasolina. Têm baterias que são alimentadas a eletricidade, que por sua vez pode ser proveniente de várias fontes, como o gás natural ou as energias eólica, solar e hídrica. A preocupação pelo Ambiente está justificada.

E em termos económicos?

Damos a palavras aos especialistas que afirmam que, em geral, é mais barato conduzir um elétrico do que um carro a gasolina ou Diesel. Mais uma vez socorremo-nos dos números: carregar a bateria custa menos do que atestar um depósito de combustível, se tivermos como referência a mesma distância percorrida em quilómetros. Nos cenários mais otimistas a poupança anual pode chegar aos 72% – nos mais pessimistas 11%.

Esta discrepância de valores depende de vários fatores como:

  1. O custo do Operador do Posto de Carregamento (OPC), que mais não é do que o custo a pagar por se estar a usar o posto rápido (pode consultar os preços para todas as regiões de Portugal aqui);
  2. A tarifa do Comercializador de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica (CEME) (isto é, o custo da energia;
  3. Taxas a pagar ao Estado.

Mas não é só: podemos ainda contar com vários benefícios como estacionamento gratuito (em alguns municípios) e  isenção de IUC e ISV – e se se tiver uma empresa, tem-se ainda a dedução do IVA e a isenção da tributação autónoma.

Onde posso carregar o meu elétrico?

Há uma rede pública de carregamentos nacional gerida pela empresa MOBI.E, que conta com mais de 1.250 postos de carregamento em mais de 50 municípios.

Caso não saiba onde ficam, a MOBI.E tem um mapa onde revela tudo – só tem de escolher o posto de carregamento mais próximo de si (aqui ).

E agora, como fazer o carregamento?

Não tem nada que enganar, basta seguir estes passos:

  1. Escolha um dos Comercializadores de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica (CEME) – ao aderir a uma proposta comercial, receberá posteriormente um cartão de acesso a todos os postos de carregamento de acesso público da rede (aqui);
  2. Depois de receber o cartão, dirija-se a um dos postos MOBI.E;
  3. Selecione o carregamento pretendido;
  4. Escolha a tomada adequada e ligue a ficha ao veículo;
  5. Passe o cartão no posto e espere pelo fim do carregamento;
  6. Retire a ficha do carro e pronto, pode prosseguir viagem!
Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Xmas Work: chegou a ‘app’ que o vai ajudar a encontrar trabalho este Natal
Marketeer
Nesta cozinha há Lisboa e novos petiscos para partilhar