Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

46% dos portugueses preparados para deixarem de ter carro próprio

No cenário do futuro do setor da mobilidade, a popularidade do carro mantém-se elevada, mas a atitude relativamente à aquisição e propriedade de viatura vai mudar significativamente.

Estas são algumas das conclusões do mais recente estudo sobre mobilidade apresentado hoje pela Avis, “The Road Ahead: The future of Mobility Report”, que revela ainda que na próxima década os consumidores serão guiados pela facilidade de acesso e por um modelo on demand na altura de optarem por um meio de transporte. O relatório analisou comportamentos dos consumidores em 16 mercados na Europa e na Ásia, tendo demonstrado que as notícias sobre “o fim do carro” são exageradas.

Atualmente, 82% dos inquiridos consideram que ter carro próprio ainda é importante, 77% revelam que possuem carro e 50% afirmam que o carro é o seu meio de transporte “ideal”. No entanto, este cenário está prestes a mudar, uma vez que 68% das pessoas acreditam que ter viatura própria não será a forma preferencial para aceder a um carro ao longo da próxima década. Mais de metade dos (54%) inquiridos estão preparados para prescindir do seu carro e optar por um aluguer a longo prazo, serviços on-demand ou serviços de subscrição. 59% dos inquiridos dizem que esperam usufruir de mais serviços de subscrição e on-demand para carros e vans no decorrer dos próximos anos.

Em Portugal, as respostas dadas pelos consumidores portugueses ao inquérito mostram uma realidade diferente relativamente a alguns dos resultados globais. Possuir viatura própria ainda é importante para 97% dos portugueses inquiridos e 87% afirmam ter carro próprio. Quando questionados sobre a possibilidade de deixar de ter veículo próprio e passar a utilizar serviços de aluguer a longo prazo, on-demand ou subscrição, 46% admitem estar disponíveis para o fazer. 54% acreditam que este tipo de serviços venham a ser mais utilizados no futuro.

Keith Rankin, Presidente Internacional do Avis Budget Group, afirmou: “Inspiradas pelos avanços tecnológicos e a influência de serviços como a Amazon, Netflix e Spotify, hoje as pessoas querem consumir e ter acesso a produtos e serviços à distância de um click. A expectativa de um serviço on-demand teve impacto na indústria da mobilidade e resultou na evolução a que assistimos hoje – desde ser possível reservar um táxi instantaneamente até alugar um carro para um fim-de-semana prolongado, tudo isto através do smartphone. No entanto, o nosso relatório revela que estamos agora a assistir a um aumento da procura de acesso imediato e flexibilidade, o que resulta em mudança de comportamentos relativamente à posse de viatura própria”, afirmou.

“A mudança na procura e a expansão da economia partilhada representam simultaneamente desafios e oportunidades para a indústria da mobilidade. A nossa pesquisa revelou que, ao mesmo tempo que os consumidores querem serviços conectados, integrados e on-demand, continuam a querer conveniência ao melhor preço”, continuou o responsável.

“É imperativo que os vários intervenientes no setor da mobilidade trabalhem em conjunto para garantir que as necessidades futuras dos consumidores são satisfeitas. No Avis Budget Group temos vindo a demonstrar o sucesso destas colaborações – por exemplo com o Fleet Management as a Service (FMaaS), as parcerias com a Via e Lyft, e os acordos com a Ford e a Continental para fornecer carros conectados. As nossas parcerias demonstram que o setor pode trabalhar em conjunto para oferecer os serviços on-demand e conectados que os consumidores desejam. Estes podem variar desde um gigante da tecnologia a fornecer 5G, ou governos locais que trabalhem com o setor privado para melhorar o acesso urbano a veículos elétricos para moradores”, concluiu Keith Rankin.

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Estas profissões vão desaparecer já a partir deste ano. Saiba se a sua é uma delas
Marketeer
Adidas espera crescer à boleia de Beyoncé