Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Sucateiro bilionário aumenta império de 20 mil milhões

O negócio de vender automóveis com defeito nunca esteve tão em alta como agora para o fundador da Copart, Willis Johnson, com 72 anos, que acumulou uma fortuna de 1,9 mil milhões de dólares, segundo o Índice de Bilionários Bloomberg.

Johnson comprou o seu próprio pátio em 1972 por 75 mil dólares. Para financiar a compra, vendeu a casa e foi morar com a sua família para uma autocaravana de 10 metros. Agora, possui uma vasta coleção de clássicos na sua propriedade próxima a Nashville.

Desde o início deste ano, as acções da Copart acumulam uma subida de 81%, o que avalia a empresa em 20 mil milhões de dólares.

Com sede em Dallas, a empresa dispõe de cerca de 200 mil veículos, alguns classificados pelas seguradoras com perda total, na sua rede de ferro-velho nos Estados Unidos, Brasil, Reino Unido, Médio Oriente e em Berlim (onde abriu uma nova unidade de nove hectares na semana passada).

O Ferrari 812 Superfast (imagem abaixo) é apenas um dos muitos automóveis disponíveis no seu depósito de ferro-velho. Com 789 cavalos de potência e velocidade máxima de 349 quilómetros por hora, é vendido por cerca de 363 mil dólares.

De acordo com a Bloomberg, arranjar carros ficou mais caro com os avanços tecnológicos, o que tende a ser amortizado pelas seguradoras. A expansão internacional também é um fator de crescimento e condutores distraídos ao telemóvel também contribuem para uma maior oferta de carros à venda na Copart, segundo informações divulgadas pela empresa em setembro.

“Havia muita preocupação de que a tecnologia de segurança reduzisse os acidentes e, portanto, haveria menos carros para leilão – bom para a sociedade e mau para a Copart”, afirmou Craig Kennison, analista da Baird. Porém, estas contas não incluíram o aumento de smartphones: “Os carros podem ser mais seguros, mas os condutores estão mais distraídos”.

por Ana Rita Rebelo

Ler Mais
OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...

Multipublicações

Human Resources
Quantas faltas justificadas pode dar no trabalho?
Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players