Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Estratégia Nissan: O que precisa saber

A Nissan Motor Co., Ltd. apresentou esta quinta-feira um plano de quatro anos para alcançar um crescimento sustentável, a estabilidade financeira e a rentabilidade, até o final do ano fiscal de 2023.

O plano, que envolve a racionalização de custos e otimização do negócio, representa uma mudança na estratégia anterior da empresa que colocava o foco na expansão contínua.

Como parte do plano a quatro anos, a Nissan tomará medidas decisivas para transformar o seu negócio, reduzindo as operações não lucrativas e as instalações excedentes, ao mesmo tempo que irá aplicar reformas estruturais. A empresa também reduzirá custos fixos ao racionalizar a sua capacidade de produção, renovar a sua gama de produtos global e controlar as despesas. Através de uma gestão disciplinada, a empresa irá priorizar e investir em áreas de negócio que proporcionem uma sólida recuperação e um crescimento sustentável.

Ao implementar este plano, a Nissan pretende alcançar uma margem de lucro operacional de 5% e uma quota de mercado global sustentável de 6% até ao final do ano fiscal de 2023, incluindo as contribuições proporcionais da sua joint-venture na China.

“O nosso plano de transformação visa garantir um crescimento estável em vez de uma expansão excessiva de vendas. Agora vamos concentrar-nos nas nossas principais competências e melhorar a qualidade do nosso negócio, mantendo uma disciplina financeira e foco na receita líquida por unidade para atingir a rentabilidade. Isto coincide com a restauração de uma cultura definida por “Nissan-ness” para iniciar uma nova era”, afirmou Makoto Uchida, CEO da Nissan.

O plano de quatro anos é focado em duas áreas estratégicas, com base na reputação da Nissan para a inovação, competência técnica, foco no cliente e qualidade, conjuntamente com uma restauração cultural:

1) Racionalização: ações robustas para reestruturar, reduzir custos e melhorar a eficiência Ações:

  • Dimensionar corretamente a capacidade de produção da Nissan em menos 20% para 5.4 milhões de unidades por ano, presumindo uma operação padrão por turnos;
  • Atingir uma taxa de utilização das fábricas acima dos 80%, tornando as operações mais rentáveis;
  • Racionalizar a linha de produtos global em 20% (de 69 para cerca de 55 modelos);
  • Redução de custos fixos em aproximadamente 300 mil milhões de ienes;
  • Intenção de fechar a fábrica de Barcelona;
  • Consolidar a produção norte-americana nas principais gamas de modelos;
  • Fecho das instalações fabris na Indonésia e concentração da produção na fábrica da Tailândia como base de produção única na ASEAN;
  • Partilha de recursos, incluindo produção, modelos e tecnologias com os parceiros da Aliança.

2) Priorizar os principais mercados e produtos Ações:

  • Foco nas principais operações da Nissan nos mercados do Japão, China e América do Norte;
  • Reforçar o negócio da Nissan com uma presença operacional adequada na Europa, América do Sul e ASEAN, tirando também partido dos ativos da Aliança;
  • Sair do mercado da Coreia do Sul, encerrar a Datsun na Rússia e reduzir as operações em alguns mercados ASEAN;
  • Foco nos segmentos globais dos modelos principais da marca, incluindo segmentos C e D, automóveis elétricos e desportivos;
  • Introduzir 12 modelos novos nos próximos 18 meses;
  • Expansão da presença nos segmentos de automóveis elétricos e eletrificados, incluindo com a tecnologia e-Power, com mais de 1 milhão de unidades de vendas eletrificadas esperadas por ano até o final do ano fiscal 2023;
  • No Japão, o lançamento de mais dois automóveis totalmente elétricos e mais quatro com tecnologia e-POWER, representando um aumento da taxa de eletrificação para 60% das vendas;
  • Introdução do sistema avançado de assistência ao condutor ProPILOT em mais de 20 modelos em 20 mercados, com o objectivo de que mais de 1.5 milhões de unidades estejam equipadas com este sistema por ano até o final do ano fiscal 2023.

“A Nissan deve entregar valor aos seus clientes em todo o mundo. Para isso, precisamos de realizar avanços nos produtos, tecnologias e mercados em que somos competitivos. Este é o ADN da Nissan. Nesta nova era, a Nissan continua focada nas pessoas, em democratizar a tecnologia e em enfrentar os desafios como só a Nissan tem capacidade para fazer”, concluiu o CEO.

 

Ler Mais

pub


OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...