Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Jaguar Land Rover desenvolve ecrã tátil com tecnologia contactless

O novo ecrã táctil com tecnologia contactless desenvolvida pela Jaguar Land Rover em conjunto com a Universidade de Cambridge irá permitir aos condutores manter a sua atenção na estrada e reduzir a propagação de bactérias e vírus num mundo após o Covid-19.

A tecnologia táctil preditiva patenteada utiliza inteligência artificial e sensores para prever as intenções do utilizador ao usar o ecrã táctil, para a navegação por satélite, controlos de temperatura ou configurações de entretenimento, sem necessidade de premir nenhum botão.

Este sistema pioneiro, desenvolvido em conjunto com a equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, integra a estratégia Destination Zero da Jaguar Land Rover, cujo objetivo é criar veículos mais seguros e contribuir para um meio ambiente mais limpo.

Na “nova normalidade” após o fim dos confinamentos em todo o mundo, será mais importante que nunca desfrutar de soluções de mobilidade seguras e limpas, onde o espaço pessoal e a higiene serão aspetos chave.

Os veículos Jaguar Land Rover foram concebidos para proporcionar maior bem-estar aos ocupantes, com funções inovadoras como o Monitor da Condição do Condutor, o cancelamento do ruído do motor e o sistema de ionização do ar do habitáculo com filtro PM2.5 para captar alérgenos e partículas ultrafinas.

As novas tecnologias, como o sistema preditivo táctil, são um novo passo em frente no nosso objetivo de ampliar a gama de soluções de mobilidade, da forma de ligação dos clientes aos serviços de mobilidade às infraestruturas necessárias para integrar completamente os veículos elétricos na cidade, como o Project Vector.

Os testes em laboratório e os ensaios em estrada confirmaram que a tecnologia preditiva táctil permite uma redução de 50% no tempo e esforço despendidos pelo condutor nas suas interações com o ecrã táctil, além de minimizar a propagação de bactérias e vírus.

A condução sobre piso em mau estado de conservação provoca vibrações e dificulta a seleção do botão correto no ecrã táctil. Isto implica que os condutores têm de desviar a sua atenção da estrada, aumentando o risco de acidente.

Esta tecnologia utiliza inteligência artificial para determinar a função que o utilizador deseja selecionar desde o princípio, acelerando a interação. Um dispositivo de reconhecimento de gestos utiliza sensores baseados num ecrã ou em radiofrequência, uma tecnologia cada vez mais frequente na eletrónica de consumo, para conjugar a informação contextual, como o perfil de utilizador, o design da interface e as condições ambientais, com os dados disponíveis de outros sensores, como o dispositivo de reconhecimento dos movimentos dos olhos, para prever as intenções dos utilizadores em tempo real.

Lee Skrypchuk, Jaguar Land Rover Human Machine Interface Technical Specialist, declarou: “À medida que os países de todo o mundo terminam o período de confinamento, observámos que a maioria das transações comerciais de rotina se realizam através de ecrãs tácteis, desde a adquisição de bilhetes de comboio ou de cinema, a utilização de caixas multibanco, o processo de faturação em aeroportos e o processo de compra em supermercados até uma grande quantidade de aplicações industriais e de produção. A tecnologia táctil preditiva elimina a necessidade de tocar num ecrã interativo, o que reduz o risco de propagação de bactérias e vírus em diversas superfícies.
Em complemento, esta tecnologia permite-nos produzir veículos mais seguros ao reduzir a carga cognitiva dos condutores e aumentar o tempo e atenção na estrada. É um aspecto chave da nossa estratégia Destination Zero”.

Esta solução baseada em software para criar interações contactless atingiu um nível de eficiência tecnológica elevado, pelo é possível integrar facilmente em ecrãs tácteis e interativos atuais, sempre que se disponha dos dados sensoriais apropriados para alimentar o algoritmo de aprendizagem automática.

O professor Simon Godsill do departamento de engenharia da Universidade de Cambridge, líder do projeto, afirmou: “Os ecrãs tácteis e interativos são muito comuns na utilização diária, mas apresentam dificuldades na utilização em movimento, a conduzir ou a selecionar música no telemóvel enquanto faz exercício. Em complemento, sabemos que alguns patógenos se transmitem através das superfícies, pelo que esta tecnologia irá auxiliar a reduzir o risco deste tipo de transmissões”.

Ler Mais

pub


OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...