Notícias actualizadas ao minuto sobre o sector automóvel

Bicicletas elétricas: Investidores de risco apostam milhões em start-ups

As empresas de capital de risco estão a investir em start-ups de bicicletas eletrétricas, enquanto assistem à pressão acrescida pela pandemia de Covid-19 no sentido de forçar os moradores das grandes cidades a encontrar novas formas de se deslocarem.

Nos últimos tempos, os investidores em tecnologia apostaram sobretudo em jovens empresas de bicicletas elétricas a operar nas cidades amigas deste meio de transporte: Berlim, Tallinn, Amesterdão e Bruxelas.

Trata-se de um mercado de grande potencial. Segundo um estudo recente da Deloitte, as estimativas apontam para que sejam vendidas mais de 130 milhões de bicicletas eletrónicas entre 2020 e 2023.

A Cowboy, com sede em Bruxelas, tornou-se a mais recente start-up de e-bike a arrecadar fundos, esta quinta-feira, com a empresa a anunciar uma ronda de financiamento da série B de 23 milhões de euros, liderada pela Exor Seeds, o braço de investimento inicial da Exor, o acionista maioritário da Ferrari.

As e-bikes da empresa, que custam 2.290 euros, estão vinculadas a uma aplicação usada para desbloquear a bicicleta e fornecer informações em tempo real sobre velocidade, duração da bateria e direções.

A Index Ventures, que apoiou empresas como a Facebook , Robinhood e Citymapper, também participou nesta ronda.

Martin Mignot, sócio da Index, disse à CNBC que estas bicicletas, em alguns países, agora são mais populares do que as bicicletas comuns. ″À medida que as cidades e os centros se afastam dos carros, espero que mais pessoas se apaixonem por bicicletas elétricas e percebam o quão perfeitas são para se deslocarem pela cidade sem suar a camisa”, reforçou.

A última ronda de financiamento do Cowboy acontece apenas dois dias após o lançamento do serviço de assinatura da e-bike Dance.

A empresa com sede em Berlim, criada pelo fundador do serviço de streaming de música SoundCloud , disse que levantou 4,4 milhões de euros de um consórcio de investidores liderado pela empresa de capital de risco BlueYard, que também está sediada em Berlim.

Ao contrário de outras empresas iniciantes, a Dance não quer vender bicicletas elétricas, que podem custar mais de 2 mil dólares. Em vez disso, lançou um serviço de assinatura de 59 euros por mês que dá aos clientes acesso a uma bicicleta elétrica dentro de 24 horas após a inscrição no aplicativo da empresa. A Dance diz que também cuidará da e-bike e a substituirá gratuitamente imediatamente se for perdida ou roubada.

Ciarán O’Leary, sócio geral da BlueYard, disse à CNBC que apoiou a Dance, porque há uma necessidade urgente e uma “grande oportunidade” de remodelar as paisagens urbanas longe dos carros e em direção às pessoas, acrescentando que os fundadores “têm uma grande noção de produto, software e comunidade”.

Em maio, a empresa de capital de risco Balderton Capital, com sede em Londres, liderou uma ronda de 12,5 milhões de euros na retalhista de bicicletas elétricas de Amsterdã VanMoof, que tinha uma lista de espera de dois meses na época.

“Tudo mudou devido ao vírus e tudo começou a crescer ainda mais rápido”, disse Taco Carlier, à CNBC em maio, acrescentando que as vendas globais aumentaram cerca de 48% em comparação com o mesmo período do ano passado, e as vendas no Reino Unido aumentaram 184% .

As bicicletas da VanMoof – vendidas nas lojas VanMoof em Amesterdão, Paris, Berlim, Londres, Nova York, Seattle, São Francisco, Taipei e Tóquio – estão equipadas com tecnologia anti-roubo. A localização de uma bicicleta pode ser rastreada na aplicação de um smartphone da empresa e, se uma bicicleta desaparecer, os “caçadores de bicicletas” da empresa irão recuperá-la.

A empresa, que emprega cerca de 250 pessoas, vendeu mais de 120 mil bicicletas elétricas, fabricadas na Holanda ou em Taiwan. Os dois modelos mais recentes (o S3 e o X3) custam 1.998 euros.

Em setembro de 2019, investidores de crowdfunding apoiaram a Ampler Bikes, com sede em Tallinn, com 2,47 milhões de euros. O dinheiro veio de 1.241 investidores de 29 países diferentes.

(texto Executive Digest)

Ler Mais

pub


OUTRAS NOTÍCIAS
Comentários
Loading...